Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Tóquio quer "simplificar" Jogos Olímpicos para evitar cancelamento

Organização estuda "tudo que for possível" para sediar competição com segurança

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 05/06/2020, às 10h24

Imagem Tóquio quer "simplificar" Jogos Olímpicos para evitar cancelamento

Simplificar. Essa é a palavra que mais se ouve em todas as reuniões envolvendo a organização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2020 que foram adiados para 2021 em Tóquio. Com uma preocupação contínua por conta da pandemia do Covid-19, tem estudado "tudo que for possível" para tornar a competição segura o suficiente e, assim, evitar um possível cancelamento.

Em entrevista à agência Reuters, o governador de Tóquio, Yuriko Koike, reconheceu que serão necessárias mudanças no plano estrutural original das duas competições. É muito provável, por exemplo, que haja uma redução do número de espectadores nos locais de disputas, testes obrigatórios em atletas, fãs e todos os envolvidos, além de diminuição do tamanho e do número de pessoas nas cerimônias de abertura e encerramento.

Foto: Reprodução

"A realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos exige simpatia e compreensão dos habitantes de Tóquio e do povo japonês. Para isso, precisamos racionalizar o que precisa ser racionalizado e simplificar o que precisa ser simplificado", declarou Yuriko Koike.

"Estamos procurando maneiras de otimizar o escopo e os níveis de serviço na preparação para os Jogos. Nesta fase, ainda não temos resultados concretos, mas estamos ansiosos para continuar as discussões. A disseminação do novo coronavírus é algo muito ambíguo e não temos capacidade de entender completamente como será a situação no próximo ano", afirmou Masa Takuya, porta-voz de Tóquio 2020.

Vale lembrar que, desde que o adiamento das competições para 2021 foi anunciado, há, nos bastidores, discussões entre as autoridades japonesas e o Comitê Olímpico Internacional (COI) sobre a necessidade ou não do surgimento de uma vacina para garantir a realização dos Jogos. O COI já revelou também que gastará US$ 800 milhões por conta do adiamento.

Nos últimos dias, a emissora pública NHK revelou que a organização já refutou qualquer possibilidade de fazer um evento em grande escala para marcar o início da contagem regressiva de um ano para os Jogos no próximo dia 23 de julho por conta de temores de uma disseminação ainda maior do coronavírus. Até o momento, o Japão já contabiliza quase 17 mil casos confirmados do Covid-19 e pouco mais de 900 mortes, de acordo com a contagem realizada pela universidade americana Johns Hopkins.