Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Treinamentos viram ativos comerciais nos EUA

Máquina do Esporte visitou nova estrutura do Boston Bruins

Duda Lopes - Boston (EUA) Publicado em 27/12/2017, às 08h19 - Atualizado às 10h19

Imagem Treinamentos viram ativos comerciais nos EUA

Há pouco de um ano, o time de hóquei Boston Bruins inaugurou um novo centro de treinamento, a Warriors Ice Arena. Mais do que uma modernização nos instrumentos de trabalho dos atletas, a estrutura representou um avanço comercial à equipe, que seguiu tendência de outras entidades da cidade e dos Estados Unidos.

No país, centros de treinamento são pensados como mais uma plataforma comercial. A Máquina do Esporte visitou a Warriors Ice Arena e pôde acompanhar de perto como a estrutura é pensada. Área de eventos corporativos, exposições, 650 assentos na arquibancada, alimentação, estacionamento e até abertura pública da pista de patinação fazem parte de como o time arrecada com seu CT.

E até sua concepção foi graças a um suporte comercial. A New Balance, patrocinadora do Bruins, foi quem arcou com a construção e quem faz a manutenção de toda a estrutura do CT. A arena foi erguida ao lado da sede da empresa em Boston e conta com uma loja conceito da companhia.

Com a nova arena, o Bruins passou a faturar com um espaço além do ginásio que carrega seus jogos oficiais, o TD Garden, local dividido com o Boston Celtics, da NBA. A construção de um CT com apelo comercial, por outro lado, foi apenas uma atualização do time de hóquei. Nos Estados Unidos, essa possibilidade já é uma realidade.

Em Boston mesmo há outros bons exemplos. O mais notável é do New England Patriots, time de futebol americano da NFL. Hoje, a equipe está alocada na cidade vizinha, Foxborough, que faz parte da região metropolitana da capital do Massachusetts. E, por lá, o ‘training camp’ do time faz sucesso.

O CT do Patriots é um anexo do estádio do time, o moderno Gillette Stadium. O local tem até naming right da Optum, empresa ligada à área de saúde. E ele funciona como um elo entre o time e os torcedores, com calçada da fama, uma série de brincadeiras para crianças e até área para pegar autógrafos dos jogadores. O local conta com estacionamento e food truck, além de acesso com preços longe do que se pratica em jogos oficiais, com ingressos que partem de US$ 80.

A entrada mais em conta é também um apelo do Boston Red Sox, time de beisebol que tem o tíquete médio mais alto da liga do país, a MLB. No centro de treinamento do time, é possível ter acesso às arquibancadas por US$ 5. O tíquete mais caro é de US$ 49, US$ 1 a menos que a entrada para um jogo oficial.