Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

UFC reforça marca própria para depender menos de atletas

Liga de lutas monta plano para se tornar mais forte no Brasil e não precisar de fama de lutadores

Erich Beting - São Paulo (SP) Publicado em 14/11/2019, às 09h01 - Atualizado às 12h01

Imagem UFC reforça marca própria para depender menos de atletas

Nesta sexta-feira, o ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, deve receber milhares de pessoas para a pesagem dos lutadores que disputarão, no dia seguinte, mais uma rodada do UFC, maior liga de lutas do mundo.

Evento de cunho social, em que o torcedor tem acesso ao local a partir da doação de um quilo de alimento, o dia da pesagem está se transformando na principal aposta do UFC para mudar sua imagem no Brasil e depender menos dos atletas.

“O que temos feito cada vez mais e melhor é o trabalho de engajamento com o fã, levando mais entretenimento, aproximando-o na relação com o atleta. ”, afirma Daniel Mourão, diretor de marketing do UFC, em entrevista à Máquina do Esporte.

O objetivo da liga é, assim, fortalecer a marca para que, a cada novo evento, o torcedor tenha interesse em participar independentemente de quem for lutar.

“Nossa área de Fan Experience está cada vez melhor, com uma série de ativações, com sessão de autógrafos e presença de atletas. É um evento de 8h de duração, queremos que as pessoas cheguem cedo para curtir. Temos investido também com a experiência com os fãs na sexta-feira, tentado trazer cada vez mais os patrocinadores, que sempre quer impactar cada vez mais o fã. Neste fim de semana, cada patrocinador terá uma ativação diferente”, conta Mourão.

O fortalecimento de marca, logicamente, tenta evitar um fenômeno de queda de atratividade do UFC em caso de queda de rendimento dos lutadores brasileiros. Após o salto vivido há uma década com a geração de Minotouro e Anderson Silva, o UFC foca agora em promover a cultura do MMA para não correr riscos de queda de audiência, como houve há alguns anos, com o doping de Silva e o fim do auge de desmpenho de lutadores como Cigano, Minotauro e Minotouro.

Na noite de quarta-feira, o UFC lançou uma plataforma gratuita com mais de 70h de documentários sobre o MMA. A ideia é levar o torcedor para dentro da cultura do esporte. Nesta quinta, haverá um evento em que influenciadores vão treinar com atletas profissionais, para expandir a marca aos mais jovens. Na sexta, a pesagem será aberta ao público, enquanto apenas no sábado acontecerão as lutas.

No começo do ano, UFC realizou ação social na Mangueira, para promover o UFC 237 / © Divulgação-UFC

“Tudo faz parte de uma grande construção de marca. Toda marca tenta contar história para o público para se posicionar. E nós temos tanta história. A pesagem é o melhor exemplo de democratização do acesso ao UFC. As pessoas vivem a mesma experiência do sábado no dia anterior ao evento”, complementa Mourão.