Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Unimed faz Palmeiras repensar cota máster

Unimed faz Palmeiras repensar cota máster

Guilherme Costa em São Paulo - SP Publicado em 03/02/2010, às 08h00 - Atualizado às 10h00

O Palmeiras criou uma nova propriedade nova em seu plano de comunicação apenas para viabilizar um acordo com a Unimed, que se tornou patrocinadora da camisa do treinador alviverde. Contudo, esse não era o sonho da empresa. Quando procurou a diretoria da equipe paulista, a companhia de seguros pretendia colocar seu logotipo em algum espaço do uniforme. Isso só não foi possível devido ao contrato com a Samsung, o que fez o clube cogitar uma renegociação do documento. A Samsung assumiu a cota máster de patrocínio do Palmeiras no ano passado. O clube alviverde assinou com a empresa de eletrônicos até o fim de 2011, para receber R$ 15 milhões por temporada. Por esse montante, cedeu à marca todos os espaços de divulgação no uniforme. Desde o ano passado, o Palmeiras foi procurado por Cosan, Lupo e pela própria Unimed para negociar patrocínios periféricos. Todas as companhias tentaram colocar suas marcas nos calções alviverdes, mas esbarraram no contrato com a Samsung. Essa situação levou o Palmeiras à primeira tentativa de renegociação. No início deste ano, a diretoria ofereceu novas propriedades à Samsung, que não estavam previstas no acordo inicial, em troca de a empresa abrir mão da exclusividade no uniforme. As conversas chegaram a avançar nesse sentido, mas a parceira não aceitou a proposta. ?A Unimed se interessou por uma propriedade que nós sabíamos que estava bloqueada. Tentamos um acordo com a Samsung, que é nossa cotista máster, e oferecemos novas propriedades a eles. Não conseguimos fechar, mas foi algo trivial. Não houve qualquer desgaste nesse sentido?, disse o diretor de marketing do Palmeiras, Rogério Dezembro. Durante a conversa motivada pela oferta da Unimed, outra situação corroborou a certeza do Palmeiras de que o contrato com a Samsung terá de ser revisto. Corinthians (R$ 38 milhões com a Hypermarcas) e Flamengo (R$ 22 milhões com a Batavo) fecharam aportes financeiramente superiores ao do clube do Parque Antarctica. ?Nós nos associamos à Samsung no meio da maior turbulência que o mundo viveu nos últimos anos. O acordo foi muito positivo para cliente e empresa, e eu não vejo por que mexer. Se eu estivesse do lado da empresa, não gostaria de receber uma proposta para renegociar o que foi assinado. Mas os números de Corinthians e Flamengo elevam o mercado e criam um novo patamar?, explicou Dezembro.