Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Violência na reta final tira brilho de recordes do Brasileirão

Últimas rodadas mostraram como opção por torcida única não inibe a violência

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 09/12/2019, às 08h25 - Atualizado às 11h25

Imagem Violência na reta final tira brilho de recordes do Brasileirão

Acabou de forma melancólica, neste domingo (8), o Campeonato Brasileiro da Série A. O rebaixamento do Cruzeiro foi marcado pela violência dos seus torcedores, que arrebentaram cadeiras e a estrutura interna do Estádio do Mineirão. A violência dos cruzeirenses ganhou as manchetes e, no fim, ofuscou o brilho do torneio que teve maior engajamento do torcedor nos últimos anos.

LEIA MAIS: Análise: Brigas escancaram nossa mediocridade

A própria rodada derradeira da competição foi uma síntese do que foi o torneio ao longo desta temporada. Nas arquibancadas, ao mesmo tempo em que houve festas das torcidas do Fortaleza antes do jogo contra o Bahia e do Vasco contra a Chapecoense, os torcedores do Cruzeiro vandalizaram o estádio. Em campo, o Santos goleou o Flamengo por 4 a 0 no duelo entre os dois times que empolgaram pelo futebol ofensivo que mostraram e ajudaram a fazer a boa fama do Brasileirão 2019.

Violência e depredação marcaram o rebaixamento do Cruzeiro no Mineirão, que recebeu torcida única no duelo contra o Palmeiras, neste domingo (8) (Foto: Reprodução)

O que tinha tudo para se consagrar como o Brasileirão dos recordes, dentro e fora do campo, porém, ficará ofuscado pela lambança que foi a gestão dos torcedores ao longo da competição. Se, por um lado, o torneio nacional nunca havia levado tanta gente aos estádios (foram cerca de 22 mil torcedores em média), por outro o campeonato de 2019 ficará marcado pelo recorde de jogos com torcida única, artifício usado para, pretensamente, reduzir a violência entre torcidas nos jogos.

Curiosamente, nas últimas rodadas, os jogos que tiveram problemas com brigas foram exatamente aqueles que tiveram torcida única. Palmeiras x Flamengo, no Allianz Parque, foi o primeiro jogo em que torcedores de times de estados diferentes não puderam comparecer ao estádio. Com a derrota humilhante do Palmeiras, seus torcedores começaram a arremessar cadeiras para dentro do gramado. A situação se repetiu no Cruzeiro x Palmeiras deste domingo (8), só com cruzeirenses.

O jogo de domingo (8), aliás, resume a ineficácia da torcida única como meio de combater a violência. O duelo no Mineirão ficou restrito a cruzeirenses graças a uma liminar obtida pelo Ministério Público, argumentando que havia risco de briga por conta do possível rebaixamento cruzeirense. Mesmo sem palmeirenses no local, os torcedores do Cruzeiro, revoltados com a derrota, depredaram o estádio.

O Brasileirão de 2019 ficará marcado pela bela campanha do Flamengo, que foi campeão com 90 pontos. Pelo fortalecimento do Nordeste, com as boas performances de Bahia e Fortaleza, levando milhares aos estádios. E, no fim, deve servir para os dirigentes mudarem a forma como encaram seu principal ativo: o torcedor.