Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Vuvuzela confirma ascensão chinesa na Copa do Mundo

Guilherme Costa em em Johanesburgo (África do Sul) Publicado em 28/06/2010, às 15h00

A principal inovação que a Copa do Mundo de 2010 apresentou ao futebol mundial é uma antiga tradição sul-africana. A vuvuzela transformou-se em adereço universal entre as torcidas que acompanham a competição, presença obrigatória em qualquer estádio. Curiosamente, porém, a tradicional corneta de plástico não tem relação com o mercado local. O artefato é mais uma das influências da China no principal evento esportivo do continente.

A despeito de sua seleção não ter se classificado para a Copa do Mundo de 2010, a China está presente em vários segmentos da África do Sul. A vuvuzela é um exemplo disso: algo cerca de 90% dos objetos vendidos no país é produzido pelos asiáticos.

Um exemplo do quanto a China se beneficiou com a Copa do Mundo na África do Sul é a Guangda, companhia de brinquedos do país asiático. A empresa enviou um milhão de cornetas ao país-sede do torneio de futebol apenas nos quatro primeiros meses de 2010. Graças à febre em torno da vuvuzela, aumentou de 10 mil para 25 mil a produção diária do objeto.

De uma forma geral, as companhias chinesas tiveram lucro contundente com a Copa do Mundo de 2010. O país asiático foi um dos que melhor aproveitaram as necessidades de obras de infraestrutura na África do Sul para receber o evento. Todos os assentos de estádios da competição, por exemplo, são oriundos da China.

A partir de um acordo comercial estabelecido entre os dois países em 2006, a China se consolidou como o país que de quem a África do Sul mais importa. Um ano antes, o volume de negócios entre as duas regiões já havia ultrapassado US$ 7 bilhões.

Isso ficou ainda mais claro durante as obras para a Copa do Mundo. Intervenções em rodovias e construções de aparatos públicos (de transporte, por exemplo) tiveram participação de companhias chinesas.

A construtora chinesa Anhui Foreign Economic Construction é outro exemplo. Ela foi responsável pelas obras de três dos dez estádios usados pela África do Sul para a Copa do Mundo de 2010.

Até a mascote da Copa do Mundo de 2010, o leão Zakumi, é produzido em uma empresa da China. A atual edição do torneio também é a primeira da história a contar com uma empresa do país asiático entre seus patrocinadores oficiais (a Yingli Solar, companhia do setor de energia).