Opinião

É triste o destino das Eliminatórias

por Duda Lopes
A
A

Nesta sexta-feira (9), a seleção brasileira entrará em campo para estrear nas Eliminatórias Sul-Americana para a Copa do Mundo de 2022. Será a oportunidade de curtir, pela última vez, o formato de um torneio longo, mas que comove os torcedores da região. Será a última edição com uma disputa digna de ser vista, graças à estranha decisão da Fifa em ampliar o Mundial. A competição é um bom produto do futebol.

publicidade
Lucas Figueiredo/CBF
publicidade

Em meio à pobreza técnica sul-americana, as Eliminatórias mantêm algo admirável: quatro das dez melhores seleções do mundo, pelo ranking da Fifa, estão no torneio. E, dos dez participantes, oito já estiveram presentes em uma Copa do Mundo, porcentagem que mostra o equilíbrio e a capacidade dos times surpreenderem ao longo dos meses de disputa pré-Mundial.

Nos últimos anos, ainda há outro fato admirável: muitas seleções em bom momento. Brasil e Argentina, claro, mas também um Uruguai, hoje renovado, uma Colômbia, de James Rodriguez, e um Chile que passou a assustar os adversários locais na última década. E mesmo assim, para 2018, a Argentina sofreu e o Chile ficou fora da Copa do Mundo.

publicidade

Hoje, a disputa acirrada pela glória máxima de disputar o Mundial torna as Eliminatórias mais empolgantes do que a própria Copa América. Mas não será mais assim. Atualmente, quatro times vão para a Copa do Mundo e uma equipe disputa uma repescagem. Após o evento no Qatar, em 2022, serão seis seleções classificadas e mais uma para a repescagem. Basicamente, 70% das equipes passam pelo grande teste. Não há competitividade que supere isso; as Eliminatórias serão amistosas.

Tudo isso porque, em 2017, a Fifa inventou de fazer o mais abrangente mundial do mundo, com 48 times participantes. Além de derrubar ainda mais o nível técnico do torneio e tirar ainda mais o gosto de exclusividade em um grupo seleto, a decisão matou a atratividade das Eliminatórias.

publicidade

É aquela prova de que péssimas decisões com âmbitos políticos são tomadas em qualquer lugar do mundo. Nesta sexta-feira, é dia de assistir à seleção brasileira, seja para torcer pela classificação ou para cornetar nossos craques. Tem que aproveitar: serão as últimas Eliminatórias. Depois de 2022, haverá apenas um longo período de jogos amistosos entre as Copas do Mundo.

publicidade

Dani Alves participa de ação e vende automóvel autografado no Mercado Livre