Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Opinião / Romulo Macedo

Opinião: Deu Match! Futebol é muito mais do que campo e bola

Romulo Macedo, especial para a Máquina do Esporte Publicado em 14/06/2021, às 09h57

Imagem Opinião: Deu Match! Futebol é muito mais do que campo e bola
Fãs asiáticos mostram toda a idolatria por Cristiano Ronaldo; torcer pelo atleta, não pelo clube, é um novo hábito no futebol
Divulgação

Outro dia, participei de uma reunião de negócios com profissionais do mundo inteiro, mas uma pessoa em especial me chamou a atenção. Era um jovem, com pouco mais de 20 anos, que tinha o seu ambiente todo enfeitado com apetrechos da Juventus, da Itália.

Durante a conversa, descobri que ele tinha nascido e vivia nas Filipinas, nos últimos anos tinha viajado duas vezes para a Itália para acompanhar, ao vivo, jogos da Vecchia Signora, além ser sócio do clube, o que lhe rendeu algumas experiências inesquecíveis no Allianz Stadium, em Turim. O filipino também gastava vultuosas quantias com camisas oficiais do clube, tinha todas desde 2018, segundo ele, e qualquer tipo de produto que tivesse as cores e o escudo do tradicional time italiano.

O que parecia ser só mais um caso de um torcedor asiático fanático por uma equipe europeia ganhou outros contornos quando o jovem confessou que estava muito apreensivo para ver para que time iria torcer na próxima temporada. Não entendi muito bem, como um torcedor fervoroso iria mudar de time e ainda não sabia para qual? A resposta estava no fato que esse fanático verdadeiramente não torcida para a Juventus, mas para o seu grande ídolo, Cristiano Ronaldo. Com a iminência de mudança de clube do craque português, o meu colega filipino e milhões de outros torcedores espalhados pelo mundo vão trocar seus clubes “de coração”.

A história não para por aí. O filipino, além de consumir Juventus, por causa do Cristiano Ronaldo, também confessou que tinha comprado a camisa e alguns produtos oficiais do Sunderland. Além disso, seguia as redes sociais e acompanhava as notícias da equipe da terceira divisão inglesa, que ele conheceu e se encantou na série da Netflix “Sunderland até Morrer”. Ademais, adotou o clube inglês como a sua equipe do videogame FIFA, por isso sabia o nome dos principais jogadores.

Os hábitos do meu colega asiático não são atitudes isoladas. Torcer para um jogador e não para um clube de futebol é um comportamento que pode parecer estranho para nós, torcedores de um esporte coletivo, mas é um fenômeno extremamente comum para milhões de pessoas. O que em princípio aparentava ser uma conduta restrita aos jovens de países onde o futebol não tinha tanta entrada, vem ganhando espaço em outros territórios onde a cultura futebolística tem muito mais relevância, inclusive aqui no Brasil.

Podemos perceber que a relação de consumo entre clubes e torcedores está em constante transformação. Videogames, compartilhamentos de memes, fantasy games e apostas esportivas são exemplos de novas maneiras, muito valiosas, de se consumir futebol.

Como os clubes brasileiros estão se preparando para receber essa nova geração de torcedores com seus novos hábitos e comportamentos de consumo? Aumentar os canais de distribuição do seu conteúdo e criar ferramentas de engajamento são passos fundamentais para fidelizar e conquistar novos torcedores.

Será que os clubes estão preparados para as novas formas de consumir o futebol? Será que estão aptos para utilizar multicanais para atrair novos torcedores, mesmo que remotamente?

Temos de compreender que os clubes são muito mais do que campo e bola. Eles também são uma gigantesca plataforma de geração de conteúdo, e essa relação de consumo entre torcedores e clubes é um organismo vivo em constante transformação. Isso é o pontapé inicial para os clubes que buscam aumentar o engajamento e a base de torcedores.

Romulo Macedo é Sócio-Fundador da Fan Experience 360 e escreve mensalmente na Máquina do Esporte