Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Opinião / Rosana Fortes

Opinião: É hora de trazer visibilidade para o esporte brasileiro

Rosana Fortes, especial para a Máquina do Esporte Publicado em 04/08/2021, às 11h36

Imagem Opinião: É hora de trazer visibilidade para o esporte brasileiro
Momento olímpico é oportunidade para gerar maior visibilidade ao esporte brasileiro
Guilherme Leporace

É difícil escolher um tema nesse momento que fuja dos Jogos Olímpicos. Mesmo com um horário bem cruel para conseguirmos acompanhar tudo (viva as olheiras!), a sensação é de plenitude para os amantes do esporte.

Acordar e checar os resultados das competições que foram noite adentro e não conseguimos assistir até o final, pegar o café pela manhã e correr para o sofá para acompanhar desde muito cedo o calendário de disputas do dia, e ver que aquele comentário "a Olimpíada poderia durar para sempre" voltou a estar presente em uma chuva de postagens no meu feed é muito bom.

Em um ano extremamente desafiador, não há como não se emocionar pensando nos bastidores da preparação de cada um dos atletas presentes no Japão. As competições no ano que antecede os Jogos são prova de fogo, importantíssimas. Elas deixam os atletas mais bem preparados e confiantes, e dão aquela carga adicional de segurança.

Como esses guerreiros se viraram durante o ano pandêmico? Como conseguiram se manter motivados e preparados? Medalhista de bronze nos 200 metros nado livre, Fernando Scheffer chegou até a treinar em um açude, no interior de Minas Gerais, quando as piscinas estavam fechadas em razão da pandemia. Aquele filme exibido na Cerimônia de Abertura dos Jogos mostrando alguns dos nomes se mantendo ativos em casa me emocionou profundamente. Todos que estão ali já são vencedores.

No entanto, no meio de toda a emoção, também se faz muito presente o tema da falta de investimento e patrocínios no esporte nacional. Um levantamento do Globo Esporte divulgado nas últimas semanas confirmou números assustadores. Em linhas gerais, a grande maioria dos atletas brasileiros em Tóquio depende do Bolsa Atleta, um incentivo federal destinado a atletas de alto rendimento, criado em 2005, com remunerações muito distantes das bolsas internacionais.

Os valores variam entre R$ 370 (atletas de base) e R$ 3.100 (olímpicos e paralímpicos), o que para muitos torna inviável não pensar em ter uma renda extra ou patrocínios. Entre os trabalhos alternativos, uma parcela dos atletas que estão competindo em Tóquio tem como profissão complementar a de motorista de aplicativo.

A cada quatro anos voltamos a falar sobre quadro de medalhas, então o que falta para o Brasil, um país com dimensões continentais, alavancar no esporte, ganhar mais visibilidade e finalmente despertar o interesse das grandes marcas?

Hoje em dia, o atleta brasileiro precisa começar a ganhar competições de grande visibilidade para ter uma remuneração digna e conseguir viver do esporte. A base, essencial para a formação do atleta, é extremamente carente de estrutura adequada para treinamento e atenção da mídia. Afinal, quem conhecia a história da Rayssa e da Rebeca antes das medalhas olímpicas?

Mais do que compartilhar os dados assustadores sobre os salários e o apelo de atletas em busca de patrocínios, temos o dever como nação de darmos mais atenção durante todo o ano, todos os anos. É preciso incentivar as competições amadoras, as premiações em dinheiro, a busca das marcas por nomes promissores, mas que não necessariamente já tenham a atenção da mídia.

Com muitos atletas se destacando, é importante trazermos visibilidade para o esporte brasileiro. Esporte é saúde, é educação e é cultura. Esporte é investimento, e não gasto. E não digo isso somente para a iniciativa pública. Muito pelo contrário! As empresas podem e devem explorar mais o esporte como plataforma de comunicação com seus públicos. 

Vamos investir e apoiar! Assim, quem sabe a gente consiga chegar aos próximos ciclos olímpicos com um cenário mais promissor e um número ainda maior de conquistas para comemorar.

Rosana Fortes é country manager do Strava no Brasil e escreve mensalmente na Máquina do Esporte