Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Opinião / Novo caminho

Opinião: Futebol vai voltar à era da ativação?

Erich Beting Publicado em 25/01/2021, às 10h41

Imagem Opinião: Futebol vai voltar à era da ativação?
Durante a pandemia, Bmg fez ação dentro da Neo Química Arena para ativar o torcedor do Corinthians
Divulgação

O acerto do Corinthians com a Neo Química para o patrocínio máster e o deslocamento do banco Bmg para um novo espaço indicam que o futebol começa a voltar a olhar a ativação de patrocínio como o caminho mais natural e saudável para se manter um parceiro comercial.

O Bmg alías, é quem parece puxar a fila. Único dos bancos digitais que permanece no esporte depois do boom ocorrido em 2018 e 2019, o Bmg reduziu sua exposição nas camisas de Atlético-MG e Corinthians para dar espaço a novos parceiros e, assim, apostar naquilo que é o bem mais valioso do acordo com os times: geração de negócios a partir da ativação da paixão do torcedor.

Ao que tudo indica, com o acerto para o patrocínio máster, a Neo Química deve usar o Corinthians como plataforma de ativação das suas marcas. Camisa de jogo e naming rights do estádio formam uma combinação ideal para se promover diversas ações para o torcedor corintiano.

Depois de uma década em que a exposição de marca foi a única moeda possível para o futebol oferecer a seus parceiros, empresas e clubes parecem que voltaram a entender que mais do que aparecer, é preciso mexer com o emocional do torcedor.

Para além de uma ótima exposição de marca, é a paixão do torcedor quem faz com que o negócio seja ativo durante todo o tempo e, dessa forma, gere receita para a marca. Vale lembrar que isso era uma prática relativamente comum em diversos patrocínios durante a década de 2000.

Foi o Corinthians que, em 2009, derrubou o modelo vigente no mercado ao apostar em diversos patrocinadores oferecendo-lhes exposição de marca dentro do “Projeto Ronaldo”. Isso criou um enorme prejuízo de longo prazo ao futebol, que afastou grandes empresas dos clubes e criou um fluxo grande de entrada e saída de marcas que não tinham fôlego para bancar patrocínio e ativações.

Com grandes parceiros garantidos por pelo menos mais cinco temporadas, o Corinthians tem a chance de dar um novo rumo para o patrocínio no Brasil. É uma boa notícia para começar o ano.