Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Opinião / Bernardo Pontes

Opinião: Precisamos falar sobre o mercado de apostas

Sem regulamentação, mercado fica sujeito à entrada de empresas sem capacidade de investimento

Bernardo Pontes, especial para a Máquina do Esporte Publicado em 17/01/2022, às 07h39 - Atualizado às 07h43

Apostas esportivas ainda não foram regulamentadas dentro do mercado brasileiro - Divulgação
Apostas esportivas ainda não foram regulamentadas dentro do mercado brasileiro - Divulgação

O ano começou mais uma vez com um cenário de incertezas no âmbito econômico para os clubes do futebol brasileiro e até mundial. A nova onda da variante Ômicron se espalha com mais rapidez do que a Delta, que presenciamos em 2020. No entanto, as evidências científicas apontam para uma menor gravidade. Por prevenção, alguns governadores já anunciaram redução de público para o início dos Estaduais, como é o caso de São Paulo.

Em um ano em que os clubes finalmente sonhavam e vislumbravam ter o potencial de buscar recuperar os buracos e perdas dos últimos dois anos, a incerteza se faz presente. E quando falamos de geração de receita, o patrocínio está entre as principais delas. 

Atualmente, só existe um segmento presente em praticamente todos os clubes das Séries A e B do Campeonato Brasileiro. Estou falando do mercado de apostas esportivas. São 35 clubes dos 40 que temos nas duas principais ligas do país.

Se olharmos de forma macro, o segmento também se destaca. Em recente estudo realizado pela Jambo Sport Business, que analisou os patrocínios másteres dos times de primeira divisão de 32 países na temporada 2021/2022, o ramo das apostas esportivas também ficou em primeiro lugar, com destaque para a Betano, que atua em seis países patrocinando 15 clubes, todos como patrocínio máster (a única exceção é o Benfica, em que estão na manga, com a Fly Emirates no espaço máster).

Porém, nem tudo são flores. É preciso que as entidades esportivas estejam muito atentas aos acordos que possam surgir. Como esse é um mercado ainda sem regulamentação no país, diversas empresas estão aparecendo com o objetivo de branding, ganhar mercado e, assim, ser adquirida por um dos grandes players do exterior. E caso essa operação não concretize, não terão fôlego para arcar com o que está sendo prometido.

A falta de regulamentação ainda favorece a atuação desse tipo de operador, sem qualquer estrutura, expondo os apostadores a possíveis fraudes e vazamentos de dados.

Recentemente, recebi uma demanda de uma empresa desse ramo que pretendia patrocinar um dos nossos influenciadores. No interior, quando o jurídico realizou o “backgroud check” (atitude normal para checar a idoneidade e capacidade de arcar com o contrato), concluiu que a empresa havia sido criada havia 15 dias, no interior da Paraíba, em um endereço inexistente e com capital social aquém do tamanho da operação.

Por isso, a tendência é que a regulamentação seja um divisor de águas no cenário brasileiro, afinal potencializará a capacidade de investimento dos grandes players e possivelmente acabará de vez com a atuação de pequenos operadores.

Aguardemos as cenas dos próximos capítulos...

Bernardo Pontes, executivo de marketing com passagens por clubes como Fluminense, Vasco, Cruzeiro, Corinthians e Flamengo, é sócio da Alob Sports, empresa especializada em conectar atletas e personalidades a marcas, fundador da SporTeach e escreve mensalmente na Máquina do Esporte