Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Outros / Negócios

Adidas “dá troco” na pandemia e cresce 34% no segundo trimestre de 2021

Redação Publicado em 09/08/2021, às 15h14

Imagem Adidas “dá troco” na pandemia e cresce 34% no segundo trimestre de 2021
Reprodução

A Adidas deu mostras de que o mercado esportivo está se recuperando do impacto causado pela pandemia de Covid-19 desde março do ano passado. No segundo trimestre de 2021 (de abril a junho), a fabricante alemã conseguiu um crescimento de 34%, com a receita total passando de € 7,733 bilhões para € 10,345 bilhões.

De acordo com a marca, o lucro operacional no período foi de € 543 milhões, praticamente voltando aos níveis anteriores à pandemia. Se for levado em consideração todo o primeiro semestre de 2021 (de janeiro a junho), houve um lucro operacional de € 1,248 bilhão, um aumento de 12,1%. O contraste é nítido com o déficit de € 215 milhões visto no mesmo período de 2020 (queda de 2,8%).

“Com os esportes voltando ao centro das atenções neste verão (na Europa), tivemos um trimestre de muito sucesso. Impulsionados pela força da nossa marca e pela demanda melhor do que o esperado por nossos produtos, vimos uma aceleração em nossas receitas e resultados financeiros. As vendas em nossos mercados de crescimento estratégico na EMEA (Europa, Oriente Médio e África) e na América do Norte quase dobraram. As receitas em nossas principais categorias (futebol e outdoor) cresceram a taxas de três dígitos. E a participação nas vendas de preço total aumentou fortemente, alimentando melhorias excepcionais de lucratividade”, destacou Kasper Rorsted, presidente-executivo da Adidas.

Para fechar, o lucro líquido da Adidas no primeiro semestre aumentou em mais de € 1 bilhão, passando de um prejuízo de € 217 milhões para um superávit de € 890 milhões. Com os resultados, a fabricante espera obter uma margem bruta de cerca de 52% em 2021, com uma margem operacional entre 9,5 e 10%. Isso tudo, claro, se os casos de Covid-19 realmente se mantiverem em queda como vem sendo visto em vários países nas últimas semanas.

“Este ímpeto nos dá toda a confiança para aumentar nossas perspectivas para o ano inteiro, apesar dos desafios externos que nossa indústria continua a enfrentar”, finalizou o mandatário.