Após KPMG, Amstel também rompe com golfista Phil Mickelson

A polêmica criada pelo americano Phil Mickelson, um dos maiores golfistas de todos os tempos, com os sauditas continua reverberando no bolso do jogador. Após a KPMG encerrar um patrocínio de 14 anos, foi a vez da Amstel romper o contrato que havia assinado com o golfista em 2020. A informação é do site Sportico.

A polêmica teve início em uma entrevista concedida pelo golfista em novembro do ano passado. À época, Mickelson disse que “sabemos que eles mataram [o colunista do Washington Post Jamal] Khashoggi e têm um histórico horrível em direitos humanos. Eles executam pessoas lá por serem gays. Sabendo de tudo isso, por que eu consideraria isso? Porque esta é uma oportunidade única na vida de reformular a forma como o PGA Tour opera”.

Na entrevista dada ao autor e escritor de golfe Alan Shipnuck, o jogador ainda se referiu aos sauditas, que querem uma liga separatista de golfe que seria financiada por eles, como “mães assustadoras” e que “valeria a pena ir para a cama com os sauditas, apesar de seu histórico de abusos dos direitos humanos, se isso significar uma chance de mudar o PGA Tour“, principal circuito de golfe do mundo.

Em um comunicado enviado à imprensa na última terça-feira (22), o jogador afirmou que estava “profundamente arrependido” e que determinados comentários foram feitos por ele “em off”, ou seja, não deveriam fazer parte da entrevista que veio a público. Alan Shipnuck, no entanto, já havia dito que em nenhum momento o golfista pediu para que uma parte da entrevista fosse “em off” ou que ficasse apenas entre os dois.

De acordo com o site do próprio Mickelson, o jogador ainda é patrocinado por Workday, Callaway, Rolex, Mizzen + Main, Intrepid Financial Partners, VistaJet e Melin. Nenhuma dessas marcas se manifestou sobre a questão até o momento.

Vale destacar que, segundo o ranking de atletas mais bem pagos do mundo divulgado pela Sportico, o golfista americano de 51 anos faturou US$ 42 milhões com patrocinadores, taxas de aparição e bônus relacionados aos contratos em 2020. Em maio, o site deve revelar os resultados relativos a 2021.