Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Outros / Futebol americano

Astro da NFL, Aaron Rodgers perde patrocínio com empresa de saúde por não se vacinar

Quarterback do Green Bay Packers não se considera antivacina e defende "autonomia corporal"

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 10/11/2021, às 09h24

Quarterback do Green Bay Packers, Aaron Rodgers é uma das principais estrelas da NFL - Reprodução
Quarterback do Green Bay Packers, Aaron Rodgers é uma das principais estrelas da NFL - Reprodução

Uma das maiores estrelas atuais da NFL, o quarterback do Green Bay Packers, Aaron Rodgers, perdeu o patrocínio e o status de embaixador da organização de saúde Prevea Health, que mantinha desde 2012. O motivo: o atleta não se vacinou contra a Covid-19.

O fato de Rodgers não ter se vacinado veio à tona na semana passada, quando ele testou positivo para a doença. Logo após a divulgação de que o jogador estaria fora da rodada do último final de semana da NFL, surgiu a informação de que ele não havia tomado a vacina, apesar de ter dito à imprensa que havia sido imunizado contra o vírus.

Na sexta-feira (5), Rodgers disse, no programa Pat McAfee Show, que não se vacinou por ser alérgico a um ingrediente que pode ser encontrado nas vacinas da Pfizer e da Moderna, além de ter preocupações com coágulos sanguíneos em relação à vacina da Janssen (Johnson & Johnson). Vale lembrar que o uso da vacina da Janssen foi temporariamente interrompido nos Estados Unidos em abril, mas retomado em algumas semanas após uma revisão feita pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças CDC e FDA.  

Durante a entrevista, Rodgers ainda relacionou incorretamente as vacinas da Covid-19 com a infertilidade e defendeu seu direito à “autonomia corporal”. Antes, o jogador já havia criticado diversos protocolos da NFL com relação à Covid-19, como o uso de máscara em ambientes fechados para jogadores não vacinados, por serem “baseados na vergonha” e “não baseados na ciência”.

Apesar de tudo isso, o quarterback do Green Bay Packers tentou deixar claro que não se considera uma pessoa antivacina.

”Eu não sou, você sabe, algum tipo de antivacina. Sou alguém que é um pensador crítico. Acredito fortemente na autonomia corporal e na capacidade de fazer escolhas pelo seu corpo. A saúde não é uma solução única para todos”, disse.

No dia seguinte à entrevista no Pat McAfee Show, a Prevea Health confirmou o término da parceria de nove anos com o atleta, que foi campeão do Super Bowl XLV na temporada 2010/2011. Além disso, Rodgers ainda foi multado pela NFL em US$ 14,6 mil (cerca de R$ 80 mil) por violar os protocolos de Covid-19 da liga.