Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Outros / Jovem

Banco do Brasil "abraça" e vê e-Sports como "novo vôlei"

Erich Beting Publicado em 01/07/2021, às 10h30

Imagem Banco do Brasil "abraça" e vê e-Sports como "novo vôlei"
Banco do Brasil tem abraçado, desde 2018, o universo gamer como forma de tornar marca mais jovem
Divulgação

O Banco do Brasil anunciou, nesta quarta-feira (30), o lançamento de um concurso para selecionar um time de streamers para a plataforma de e-Sports do banco. Com o nome de “Stream Battle”, a ação é mais uma que reforça o pioneirismo da empresa estatal no segmento de e-Sports, onde está presente desde 2018, com o patrocínio inicialmente à feira Brasil Game Show e, atualmente, com diversos projetos e serviços voltados para o gamer.

Em conversa com a Máquina do Esporte, Victor Santarlacci, analista de marketing esportivo do Banco do Brasil, explicou o porquê de os e-Sports terem se tornado um dos pilares do banco atualmente.

“Para a gente, os e-Sports são um segmento estratégico do banco, porque a gente enxerga o universo de games e e-Sports como foi o vôlei lá atrás para o banco. É um potencial mercado que a gente consegue apoiar e ter resultados positivos tanto para o Brasil no quesito de times e streamers quanto para uma estratégia de rejuvenescimento de marca que o banco tem. A gente acredita que o universo é importante para isso”, afirmou o executivo, que diz que pretende, nos e-Sports, “fazer a mesma coisa que fez com o vôlei lá atrás, com as devidas diferenças das modalidades”.

Santarlacci também comentou sobre a concorrência com outros bancos na disputa pela atenção do universo gamer. Na terça-feira (29), o Santander já havia anunciado a criação de uma linha de crédito para a compra de produtos ligados ao segmento, algo que havia sido “lançado” pelo BB.

“A gente vê com muito bons olhos outras instituições financeiras entrando. E se orgulha de ser o primeiro banco a trazer os e-Sports para o programa de patrocínio. A competição faz bem para todas as empresas e para o mercado também. Ela é saudável e mostra o potencial que o universo gamer tem. A gente fica feliz com o apoio, e a competição com certeza faz esse segmento crescer”, finalizou.