Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Outros / Forbes

Com McGregor no topo, confira os 10 atletas mais bem pagos em 2020

Redação Publicado em 13/05/2021, às 12h51

Imagem Com McGregor no topo, confira os 10 atletas mais bem pagos em 2020

Atrás de McGregor está Lionel Messi, do Barcelona, que faturou US$ 130 milhões em 2020. O controverso contrato do argentino com o clube espanhol gerou enorme crise no Barça, derrubando presidente e quase levando o jogador a sair do time onde está desde os 12 anos de idade. O top 5 de atletas mais bem pagos de 2020 têm ainda Cristiano Ronaldo (futebol), Dan Prescott (futebol americano) e LeBron James (basquete).

Confira abaixo quem são os 10 primeiros do ranking da Forbes de atletas mais bem pagos de 2020:

1 – Conor McGregor (UFC) – US$ 180 milhões

2 – Lionel Messi (futebol) – US$ 130 milhões

3 – Cristiano Ronaldo (futebol) – US$ 120 milhões

4 – Dan Prescott (futebol americano) – US$ 107,5 milhões

5 – LeBron James (basquete) – US$ 96,5 milhões

6 – Neymar (futebol) – US$ 95 milhões

7 – Roger Federer (tênis) – US$ 90 milhões

8 – Lewis Hamilton (automobilismo) – US$ 82 milhões

9 – Tom Brady (futebol americano) – US$ 76 milhões

10 – Kevin Durant (basquete) – US$ 75 milhões

Conor McGregor subiu ao topo dos atletas mais bem pagos em 2020, mas conquista se deveu a negócios fora do esporte
Divulgação/UFC

O lutador de MMA Conor McGregor conseguiu um feito em 2020. Pela primeira vez, ostentou o status de atleta mais bem pago do mundo no ranking divulgado pela Revista Forbes. O irlandês de 32 anos, ex-campeão de duas categorias no UFC, foi o esportista que mais faturou no ano atípico da pandemia.

Para alcançar a marca, porém, McGregor praticamente não precisou lutar. Ele desbancou Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, que costumam ocupar a liderança do ranking, por conta de negócios fora do universo esportivo.

De acordo com o ranking da Forbes, dos US$ 180 milhões que o lutador faturou em 2020, “apenas” US$ 22 milhões vieram do esporte. Foi esse o cachê da derrota na luta contra Dustin Poirier, ainda em janeiro, quando o mundo vivia normalmente pré-pandemia. Outros US$ 8 milhões ganhos pelo irlandês vieram de patrocínios, enquanto a maior parte do faturamento foi proveniente da venda da participação que McGregor tinha na marca de uísque “Proper N° 12” (US$ 150 milhões).