Outros

Comitê Olímpico americano cria plataforma de marketing para os atletas

por Redação
A
A

O Comitê Olímpico e Paraolímpico dos Estados Unidos (USOPC) vai testar um programa piloto 'inédito' que permitirá aos atletas da Team USA ganharem renda com oportunidades de marketing e patrocínio em grupo e individuais.

Com lançamento em março, a  Athlete Marketing Platform [Plataforma de Marketing de Atletas’, em tradução livre] terá uma duração inicial de um ano e, portanto, cobrirá os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, que devem começar em julho próximo, assim como os Jogos de Inverno de Pequim 2022 no mês de fevereiro seguinte.

O esquema opt-in, que está sendo operado em parceria com a Opendorse, tomará a forma de um aplicativo e portal on-line, e permitirá que os atletas ganhem dinheiro de três maneiras.

publicidade
publicidade

Um pagamento de base garantido será pago àqueles que participam do marketing de grupo, enquanto os atletas qualificados também receberão uma parte dos royalties das vendas de produtos de consumo licenciados ou mercadorias com seu nome, imagem e/ou semelhança. Além disso, alguns concorrentes poderão ganhar receita incremental através de acordos de marketing individuais.

O marketing de grupo permite aos parceiros da Team USA usar o nome, a imagem e/ou a imagem de um mínimo de três atletas coletivamente para fins promocionais. Além de potenciais filmagens de produção, o marketing de grupo não requer o tempo do atleta.

Oportunidades individuais de marketing exigirão tempo do atleta e podem incluir posts em redes sociais, entrevistas à imprensa e podcasts, aparições e encontros, e muito mais. De acordo com a USOPC, estes acordos são oportunidades de curto prazo, frequentemente não exclusivas, que não substituem os acordos anuais de endosso exclusivo.

publicidade

Os atletas, entretanto, poderão optar por não participar de qualquer categoria de produto ou serviço onde possa haver conflitos com patrocinadores existentes.

Os atletas elegíveis para oportunidades individuais de marketing devem ter competido nos campeonatos mundiais mais recentes ou competição equivalente, ou já ter se qualificado para Tóquio 2020 ou Pequim 2022. Usando o portal, esses atletas podem definir o preço desejado para as oportunidades e aprovar ou recusar as oportunidades de acordo.

publicidade

Site da ESPN tem recorde, e canal vê triunfo de estratégia