Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Outros / Surfe

Estreia do WSL Finals leva surfe a recorde de audiência digital ao vivo

Decisões dos títulos mundiais na Califórnia tiveram mais de 6,8 milhões de visualizações no YouTube

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 17/09/2021, às 07h36 - Atualizado às 07h36

Gabriel Medina e Carissa Moore conquistaram títulos mundiais do surfe em 2021 - Pat Nolan / WSL
Gabriel Medina e Carissa Moore conquistaram títulos mundiais do surfe em 2021 - Pat Nolan / WSL

O Rip Curl WSL Finals, que consagrou o brasileiro Gabriel Medina e a americana Carissa Moore como tricampeão mundial e pentacampeã mundial de surfe, respectivamente, bateu recorde de audiência na história da World Surf League (WSL). Na última terça-feira (14), as decisões dos títulos mundiais em Lower Trestles, San Clemente, na Califórnia (EUA) tiveram mais de 6,8 milhões de visualizações na transmissão ao vivo no YouTube.

De acordo com a WSL, foi o dia com maior número de fãs assistindo a uma transmissão da liga ao vivo, ultrapassando o recorde registrado na final brasileira entre Ítalo Ferreira e Gabriel Medina no Billabong Pipe Masters de 2019. E os números não param por aí. Antes do evento, o conteúdo do Rip Curl WSL Finals já havia gerado 11,3 milhões de visualizações de vídeos, atingindo mais fãs do que qualquer outra competição na história da WSL.

A consultoria especializada Nielsen Sports ainda divulgará todos os números de visualizações lineares da transmissão ao vivo pelas emissoras de televisão de todo o mundo, mas estima-se que também possa ter sido a maior da história. No Brasil, as finais foram transmitidas na TV linear pela ESPN. Para fechar, o evento também pode quebrar o recorde de visualizações de Video On Demand (VOD).

"O surfe que vimos no CT deste ano foi espetacular e culminou com o nosso momento mais importante da temporada, a batalha pelos títulos mundiais no inédito Rip Curl WSL Finals. Ver os dez melhores surfistas do ano se enfrentando em ondas incríveis e com os títulos mundiais feminino e masculino sendo decididos no mesmo dia e no mesmo lugar, pela primeira vez, foi realmente muito especial. Este novo formato cativou nosso público e aumentou nossa audiência como nunca visto antes”, celebrou Erik Logan, CEO da World Surf League.

Para a liga, 2021 colocou de vez o surfe entre as modalidades mais acompanhadas e assistidas do esporte mundial. A estreia nos Jogos Olímpicos e a estratégia da própria WSL de transmitir as etapas pelo YouTube pela primeira vez geraram novos espectadores e alavancaram o surfe de uma maneira nunca antes vista. Com uma série de atletas entre os melhores do mundo, o ouro olímpico conquistado por Ítalo Ferreira e o tricampeonato mundial de Gabriel Medina, a tendência é que, pelo menos no Brasil, o esporte seja impulsionado cada vez mais nos próximos anos.