Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Outros / Vôlei

Minas é pressionado por Fiat e Gerdau após não condenar homofobia de Maurício Souza

Patrocinadores cobram atitude mais enérgica do clube depois de atleta se manifestar no Instagram

Erich Beting - São Paulo (SP) Publicado em 26/10/2021, às 16h46 - Atualizado às 16h56

Maurício Souza, jogador do Minas, fez uma postagem homofóbica em seu perfil no Instagram - Divulgação / Minas
Maurício Souza, jogador do Minas, fez uma postagem homofóbica em seu perfil no Instagram - Divulgação / Minas

O Minas Tênis Clube tem sido pressionado pelos dois principais patrocinadores do time masculino de vôlei do clube. O motivo é a falta de uma atitude mais drástica a ser tomada pela instituição após um post homofóbico do jogador Maurício Souza em seu perfil no Instagram.

No último dia 12 de outubro, o atleta, que também defende a seleção brasileira, criticou um desenho de um quadrinho do Super-Homem beijando um outro rapaz, condenando o homossexualismo. A publicação gerou revolta entre alguns torcedores, que passaram a cobrar uma atitude do Minas após a postagem.

Depois de a torcida do clube afirmar que passaria a ignorar o atleta em quadra, o Minas emitiu um comunicado apenas na última segunda-feira (25), em que afirmou que seus atletas são livres para emitir suas opiniões nas redes sociais.

“Todos os atletas federados à agremiação têm liberdade para se expressar livremente em suas redes sociais. O clube é apartidário, apolítico e preocupa-se com a inclusão, diversidade e demais causas sociais. Não aceitamos manifestações homofóbicas, racistas ou qualquer manifestação que fira a lei. A agremiação salienta que as opiniões do jogador não representam as crenças da instituição sócio-desportiva. O Minas Tênis Clube pondera que já conversou com o atleta e tem o orientado internamente sobre o assunto”, afirmou o clube, em nota à imprensa.

A atitude do clube gerou ainda mais revolta e foi seguida por duas postagens duras de seus maiores patrocinadores, a montadora de automóveis Fiat e a empresa do ramo da construção civil Gerdau, ambas nesta terça-feira (26).

A montadora repudiou a atitude do jogador e cobrou o Minas a ter uma atitude mais enérgica:

“Em relação às recentes declarações do jogador Maurício Souza, da equipe de vôlei Fiat Minas Gerdau, a Fiat declara seu repúdio a toda e qualquer expressão de cunho homofóbico, considerando inaceitáveis as manifestações movidas por preconceito, ímpeto desrespeitoso ou excludente. A empresa pauta suas ações e relacionamentos com base em valores que considera inegociáveis, como respeito à diversidade e à inclusão. Assim, a Fiat repudia qualquer tipo de declaração que promova ódio, exclusão ou diminuição da pessoa humana e espera que a instituição tome as medidas cabíveis e necessárias no espaço mais curto de tempo possível”, escreveu a Fiat em suas contas nas redes sociais, que contam com mais de 1 milhão de seguidores.

A Gerdau seguiu uma linha de comunicação parecida, cobrando o Minas e ressaltando o trabalho que a empresa faz em favor da diversidade e da inclusão.

“A Gerdau repudia qualquer tipo de manifestação de cunho preceituoso ou homofóbico. Sobre as declarações recentes do atleta Maurício Souza, jogador do Fiat/Gerdau/Minas, a empresa já pediu a posição oficial do clube sobre as tratativas necessárias ao caso para adotar as medidas cabíveis, o mais breve possível. A Gerdau reforça o seu compromisso com a diversidade e inclusão, um valor inegociável para a companhia. A empresa ressalta que decidiu patrocinar os times masculino e feminino do Minas, também pelo poder de inclusão da modalidade, que inclui atletas que representam bem a diversidade brasileira. Dentre as iniciativas e compromissos da Gerdau com o tema, destacamos o banco de talentos voltado à comunidade LGBTQIA+, lançado em 2020, e a assinatura de diversos pactos e coalizões que formalizam seus compromissos públicos com a promoção da diversidade e inclusão, como o Fórum de Empresas e Direitos LGBTQIA+ e a Coalizão Empresarial para Equidade Racial e de Gênero”, afirmou a empresa, também nas redes sociais.

A pressão dos patrocinadores não alterou, ainda, o posicionamento do Minas. O clube não tem usado as redes sociais para se manifestar sobre o tema, preferindo dirigir comunicados à imprensa.