Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Outros / Parte minoritária

NFL estuda vender próprios produtos de mídia

Redação Publicado em 24/06/2021, às 11h55

Imagem NFL estuda vender próprios produtos de mídia

A NFL está estudando a possibilidade de vender os seus negócios de mídia, incluindo a NFL Network, RedZone e NFL.com. O banco de investimentos Goldman Sachs foi contratado para explorar soluções para esses negócios. De acordo com o jornal americano The Wall Street Journal, a liga estuda vender parte dessas empresas.

A publicação ainda diz que a NFL acredita que seus negócios de mídia podem se beneficiar ao estarem alinhadas com empresas maiores. A liga mandou uma carta aos proprietários das franquias nesta quarta-feira (23).

"A NFL tem um histórico comprovado de criação de plataformas de mídia líderes que desenvolvem audiências significativas, por isso queremos falar com uma série de partes interessadas", disse um porta-voz da liga em uma declaração ao Sportico. "Não pretendemos fornecer uma atualização sobre este processo até que ele tenha sido concluído e não especularemos sobre potenciais resultados".

A notícia chega pouco mais de três meses depois que a NFL vendeu seus novos contratos de direitos de transmissão domésticos, que valerão US$ 110 bilhões ao longo das próximas 11 temporadas, ou seja, até 2033.

Com os direitos de transmissão finalizados, a liga agora pode focar em seu próprio negócio de mídia. Seus três maiores ativos são a NFL Network, que transmite sete jogos de temporada regular por ano, o canal de TV por assinatura NFL RedZone e o site NFL.com. Outros ativos incluem o aplicativo e o conteúdo de arquivo da NFL.

Para se ter uma ideia, só a NFL Network está presente em 56,2 milhões de residências, de acordo com a Sportico. Para comparação, a ESPN está em aproximadamente 82 milhões de residências.

Até o momento nenhuma empresa declarou interesse em qualquer negócio nesta fase inicial. A Sportico especula que os compradores poderiam vir de fora do âmbito da mídia tradicional, citando empresas de tecnologia como a Amazon e o Facebook, que estão investindo mais em direitos e conteúdo esportivo. Outra opção potencial poderia vir do espaço de apostas esportivas em expansão nos EUA, como o DraftKings.