Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Outros / Kleber Borges

Opinião: Um novo modelo de operação de jogo

Kleber Borges Publicado em 02/08/2021, às 13h06

Imagem Opinião: Um novo modelo de operação de jogo
Alexandre Vidal / Flamengo

Ao que parece, a tão esperada reaproximação entre o futebol e o público nos estádios brasileiros poderá acontecer no próximo mês de setembro. Apesar de alguns jogos da Copa Libertadores e da Copa América já terem sido realizados com a presença de público, setembro pode ser a data, segundo os órgãos responsáveis, de abertura para as demais competições.

Muitos estudos e planejamentos estão em andamento, mas o certo é que precisamos fazer o máximo para receber os torcedores com segurança. Isso será fundamental para garantir que a experiência de retorno seja do mais alto padrão, impulsionando a presença do torcedor no estádio, a venda de ingressos e o consumo, tudo isso mantendo, sobretudo, as condições de saúde exigidas pelo momento.

A flagrante demanda reprimida gerada pelo período de impedimento da presença de público em atividades sociais apresenta-se como um ótimo momento para atrair novos torcedores. O cenário é propício para aqueles que estiverem munidos de bom planejamento para transformar esse torcedor em cliente e consumidor. Apresentar uma nova roupagem para nossos estádios, com mais entretenimento, diversidade de produtos e qualidade de atendimento parece, sem dúvida, ser um bom indicativo de êxito.

Por falar em qualidade de atendimento, é fundamental capacitar todas as equipes para esse retorno, pois isso pode garantir uma experiência especial. Vale lembrar que sua equipe é a linha de frente da sua instalação. Funcionários insatisfeitos e despreparados geram clientes insatisfeitos, e, com a competição constante de outros meios de acesso ao evento, como TV e streaming, a fidelidade do cliente tem um valor ainda maior para o sucesso financeiro da instalação esportiva.

É muito importante, por exemplo, municiar os funcionários com as informações necessárias de acordo com sua função, independentemente de onde, fisicamente, no estádio. Podem ser informações sobre novos protocolos de segurança, dicas de atendimento ao cliente ou mesmo novidades de consumo.

Há muito o que perder se falharmos na primeira impressão, seguindo o ditado de que encontrar novos clientes pode ser muito mais caro do que reter os existentes.

Temos que nos preparar para esse novo modelo de comportamento do torcedor, lançando mão de novas ferramentas e ações que permitam criar estratégias inovadoras para melhorar a experiência e fidelizar o cliente.

Kleber Borges é presidente da Arena de Pernambuco e escreve mensalmente na Máquina do Esporte