Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Outros / Escolar

Parque Olímpico receberá Jogos Escolares Brasileiros em outubro

Competição estudantil reúne time de embaixadores e é maior projeto do governo no esporte

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 27/09/2021, às 07h21 - Atualizado às 07h23

JEB's serão realizados no Rio de Janeiro entre 29 de outubro e 5 de novembro - Divulgação
JEB's serão realizados no Rio de Janeiro entre 29 de outubro e 5 de novembro - Divulgação

O Parque Olímpico do Rio de Janeiro voltará a receber, depois de cinco anos, o clima de uma competição com diversas modalidades esportivas simultaneamente. Entre os dias 29 de outubro e 5 de novembro, o local onde aconteceu boa parte das competições dos Jogos Olímpicos do Rio 2016 abrigará a reedição dos Jogos Escolares Brasileiros (JEB’s).

O torneio escolar foi recriado pelo governo federal após 17 anos e receberá estudantes com idade entre 12 e 14 anos que disputarão 17 modalidades diferentes: atletismo, basquete, futsal, handebol, judô, vôlei, vôlei de praia, natação, tênis de mesa, xadrez, caratê, wrestling, ginástica artística, ginástica rítmica, badminton, ciclismo e taekwondo.

Apenas o atletismo não acontecerá no Parque Olímpico da Barra, ficando reservado para o Centro De Educação Física Almirante Adalberto Nunes (Cefan), em Deodoro. As provas no Parque serão nas Arenas Cariocas 1, 2 e 3, no velódromo e no Centro Olímpico de Tênis. Além disso, nove instalações temporárias serão erguidas, com espaço para quatro quadras de futsal, uma de handebol, uma para a disputa de tênis de mesa e outra para o badminton, além de espaços para alimentação, entretenimento e centros de convivência.

A utilização do Parque Olímpico faz parte do projeto de dar maior utilidade ao espaço. O governo federal é responsável pela gestão das arenas 1 e 2, do velódromo e do centro de tênis. Os locais foram reativados recentemente, com diversas competições nas arenas.

Os JEB’s serão a primeira competição poliesportiva a acontecer simultaneamente no espaço. O investimento no desporto escolar é parte do projeto do atual governo para incentivar a prática esportiva entre os jovens. Além dos JEB’s, o Brasil ganhou recentemente o direito de abrigar os Jogos Mundiais Escolares Sub-15 em 2023.

“Sempre bati na tecla de que era importante inverter a pirâmide esportiva brasileira e apostar no desporto escolar e de base. Com os JEB’s, o Sul-Americano e o Mundial no nosso horizonte, os nossos estudantes terão muito estímulo para investir no esporte como opção”, afirmou o secretário especial do esporte do Ministério da Cidadania, Marcelo Magalhães.

Nos JEB’s, os atletas serão escolhidos para representar os estados. Algumas seletivas têm sido realizadas presencialmente, mas outras definições têm acontecido por meio de rankings. Por conta da pandemia, a organização dos JEB’s flexibilizou os critérios de seleção dos atletas. A definição oficial do número de integrantes por delegação sairá até o fim de setembro.

“Nos casos em que não for possível realizar seletivas esportivas estaduais, a definição da delegação poderá adotar critérios como rankings estaduais e convocações por critérios técnicos das federações esportivas e escolares dos estados e do Distrito Federal”, disse Everson Ciccarini, diretor geral dos JEB’s.

Atualmente, um time de mais de 25 profissionais, que serão 75 até o fim do mês, tem trabalhado na organização do evento, que terá nove modalidades como seletivas para os Jogos Sul-Americanos Escolares de 2022: atletismo, basquete, futsal, handebol, judô, vôlei, natação, tênis de mesa e xadrez.

Para ajudar a promover os JEB’s, o governo contratou um time de atletas olímpicos. A mais recente embaixadora incluída na lista foi a campeã olímpica Rebeca Andrade, da ginástica artística. Além dela, a competição terá as seguintes embaixadoras: Natália Falavigna (campeã mundial e medalhista olímpica no taekwondo), Daiane dos Santos (campeã mundial na ginástica artística), Fofão (levantadora campeã olímpica no vôlei em 2008), Helen Luz (campeã mundial e medalhista olímpica no basquete), Maurren Maggi (única brasileira campeã olímpica no atletismo, com o título no salto em distância, em 2008), Jacqueline Silva (campeã olímpica no vôlei de praia em 1996), Mayra Aguiar (bicampeã mundial no judô e três vezes medalhista olímpica) e Flavia Saraiva (destaque da seleção de ginástica artística).

Entre os homens, os embaixadores são Thiago Silva, Emerson Sheik, Zico e Edmilson, do futebol, o ídolo do futsal Falcão, Tiago Camilo (medalhista olímpico no judô), Joaquim Cruz (campeão olímpico no atletismo), Nenê Hilário (basquete), Sandro Dias (skate), Daniel Dias (natação paralímpica), Arthur Zanetti (campeão olímpico na ginástica artística), Serginho e Giba (campeões olímpicos no vôlei), André Domingos (medalhista olímpico no atletismo), José Aldo (bicampeão do UFC) e Renzo Gracie (mestre em jiu-jítsu).

A lista conta ainda com três atletas olímpicos que trabalham na Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania: Bruno Souza, secretário Nacional de Esporte de Alto Rendimento (handebol); a secretária Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social, Fabíola Molina (natação); e Luisa Parente, ex-ginasta e secretária da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD).