Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Outros / Iniciativa social

Por inclusão e diversidade, Nike reforça parceria com Casa Florescer

Espaço serve como centro de acolhimento pioneiro para mulheres transexuais e travestis no país

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 14/09/2021, às 06h30

Iniciativa faz parte do compromisso da marca de apoiar projetos que promovam a inclusão e a diversidade - Divulgação / Nike
Iniciativa faz parte do compromisso da marca de apoiar projetos que promovam a inclusão e a diversidade - Divulgação / Nike

A Nike reforçou, no último final de semana, a parceria iniciada em 2020 com a Casa Florescer, centro de acolhimento pioneiro para mulheres transexuais e travestis no país. No sábado (10), a marca convidou Gabi, medalhista de prata com o vôlei feminino em Tóquio 2020, para participar da inauguração da quadra poliesportiva do espaço que foi revitalizada pela própria fabricante.

O novo espaço para prática de atividade física servirá às moradoras do centro e ainda ganhou um mural artístico de 35 metros, criado pelo jovem artista pernambucano Lucas Andrade. O mural é inspirado em mensagens das próprias moradoras da Casa Florescer sobre empoderamento e inclusão, traz elementos visuais do universo esportivo e também retrata algumas moradoras que participaram da ação.

Medalhista de prata com o vôlei feminino em Tóquio 2020, Gabi conversou com as moradoras

De acordo com a Nike, a iniciativa faz parte do compromisso da marca de estabelecer conexões e apoiar projetos que promovam a inclusão e a diversidade, ou seja, a construção de uma sociedade mais igualitária. A Casa Florescer tem como principal objetivo promover a representatividade das mulheres transexuais e travestis por meio de uma articulação de rede envolvendo saúde, educação, cultura, esportes, assistência social, trabalho e moradia.

“Temos uma longa história de promoção da igualdade em questões de raça, gênero e orientação sexual. Mas reconhecemos que ainda são muitas as barreiras cotidianas enfrentadas pela comunidade LGBTQIA+ no Brasil, principalmente pelas mulheres trans. A Casa Florescer cumpre um papel social muito importante, e por isso temos orgulho em apoiar o trabalho que vem sendo realizado, que também reflete a diversidade dos nossos funcionários, atletas e consumidores, além de promover acesso ao esporte como plataforma de acolhimento e inclusão para essas meninas“, afirmou Bruno Teixeira, gerente de propósito da Fisia, distribuidora oficial da Nike no Brasil.

“Quando a Nike faz a conexão com as pessoas acolhidas, é algo extremamente positivo, que potencializa outras possibilidades de acesso a algo que muitos não tiveram apenas por serem quem são. O esporte, para esta população que sofreu inúmeras violências devido à sua existência, acaba se tornando uma terapia e até mesmo um facilitador de descoberta de aptidões subjetivas, propiciando assim um melhor relacionamento interpessoal”, destacou Alberto Silva, gestor da Casa Florescer.

“O esporte tem um grande significado. Então, hoje, temos um espaço lindo, mas a nossa quadra estava apagada, e a Nike teve essa visão, esse cuidado, esse carinho de elevar essas vozes e contar quem são essas mulheres trans e travestis da Casa Florescer. É falar sobre esses corpos e mostrar essas vozes, é sobre eu estar conectada com pessoas. É erguer não só a bandeira trans, mas erguer todas as bandeiras, porque eu represento todas elas. A nossa luta não é só pela causa trans, é por todas as causas”, reforçou Rihanna Borges, moradora da Casa Florescer há seis meses.

Quadra ganhou mural artístico de 35 metros, criado pelo jovem artista pernambucano Lucas Andrade

O mural e a quadra ainda trazem mensagens da iniciativa “Be True” da Nike, criada em 2012 por funcionários da comunidade LGBTQIA+ da empresa, que, neste ano, celebra o Orgulho em Movimento, fazendo referência ao esporte como um aliado e como uma plataforma a favor da defesa dos direitos da comunidade. A ideia é sempre mostrar que a prática esportiva e as atividades físicas devem ser inclusivas e servir como um espaço de acolhimento.