Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Outros / Prêmio

Prêmio Máquina do Esporte: Os finalistas em Ação de Comunicação/RP

Redação Publicado em 07/06/2021, às 22h59

O Prêmio Máquina do Esporte revela nesta segunda-feira (7) os cinco finalistas na categoria Ação de Comunicação/Relações Públicas. Os indicados foram selecionados pela Equipe da Máquina do Esporte e depois passarão a concorrer ao prêmio de case do ano por meio de voto popular e voto do júri técnico. Com mais de 20 cases inscritos na categoria, a disputa foi acirrada. Os cases foram escolhidos por atenderem diferentes critérios. Não foram levados em conta apenas o tamanho da ação, mas a originalidade da proposta, a solução de negócios e, no fim, o engajamento da mídia com ela.

Com o patrocínio da Casa de Apostas e o apoio da LiveSports, o Prêmio Máquina do Esporte, primeira premiação do gênero já feita na indústria esportiva brasileira, colocará em breve para votação os 35 cases finalistas. A cerimônia de divulgação dos vencedores acontecerá no dia 28 de junho, em evento que será transmitido pela LiveSports nos canais da Máquina do Esporte.

Confira a seguir quem são os finalistas na categoria Ação de Comunicação/Relações Públicas.


MPC Rio – Case Girls Camp da NBA Basketball School

Um dos poucos cases inscritos que aconteceram antes do fechamento provocado pela pandemia, a ação Girls Camp, realizado pela NBA Basketball School, foi o primeiro acampamento exclusivo de treinos para meninas no basquete. A MPC Rio ficou responsável por desenvolver uma estratégia de comunicação completa, além do relacionamento com a imprensa, da ação. Além do plano de PR, a agência cuidou da curadoria do Girls Camp e da escolha de convidadas especiais, elaborando ações exclusivas e uma programação repleta de palestras, talk-shows e debates para atletas e técnicas participantes.

Com o lema #AQuadraÉDelas, o Girls Camp celebrou o ‘Dia Internacional da Mulher’ (8 de Março de 2020) com a realização do primeiro camp 100% feminino no Brasil, no Clube Alto dos Pinheiros (CAP), em São Paulo. Com a chancela da WNBA e apoio da NBA, o acampamento reuniu 90 meninas de 11 a 17 anos de dez estados, entre alunas do NBS, jovens atletas de clubes e projetos sociais, e as inscrições se esgotaram em poucos dias.

O Girls Camp teve forte apelo de mídia e contou com a cobertura de diversos dos principais veículos de comunicação do país in loco (TV Globo, SporTV, Band TV, BandSports, CNN, UOL, GE.com, ESPN, entre outros). O retorno de mídia do evento superou R$ 2,5 milhões.

Comitê Olímpico do Brasil e a cobertura da Missão Europa dos atletas brasileiros

Com a pandemia, no primeiro semestre de 2020 a maioria dos centros de treinamento do esporte olímpico no Brasil foi fechada. Para manter os atletas em atividade e em condições de buscar índice para os já adiados Jogos Olímpicos, o Comitê Olímpico do Brasil (COB) promoveu a “Missão Europa”. Num acordo fechado com o Comitê Olímpico de Portugal, os atletas brasileiros partiram para treinar na Europa. Para registrar esse período de treinos e ampliar o alcance das ações, o COB se transformou num grande hub de conteúdo para os veículos que não tinham acesso à bolha da Missão Europa. Com ações integradas e coordenadas em parceria com as Confederações Esportivas, promoveu a produção de textos, fotos e vídeos para distribuição para TVs, jornais e agências de notícias do Brasil e do exterior, além de conteúdo específico para as redes sociais do COB, de Confederações, clubes e atletas. Além disso, foi montada uma equipe para atender às demandas da veículos nacionais e internacionais e de patrocinadores do COB, fornecendo conteúdo exclusivo para todos eles. Com as ações, o material produzido e distribuído foi veiculado nos principais veículos do Brasil (Jornal Nacional, Globo Esporte, ESPN, Sportv, etc), de Portugal (A Bola, Record, Sapo, etc) e do mundo (NHK, do Japão; Washington Post, EuroNews, dentre outros). Ao todo, 14 países repercutiram a Missão Europa, sempre com imagens fornecidas pelo COB, seja em material bruto em vídeo ou o material final, já editado. Nas mídias digitais, mais de 2 milhões de pessoas foram atingidas somente com as ações dessa missão. O canal do Time Brasil no TikTok foi lançado nesse período e alcançou sucesso instantâneo. Foram produzidos 19 vídeos de 17 modalidades diferentes, que somaram mais de 1 milhão de views, com alta taxa de engajamento.

Brain Comunicação e o lançamento do patrocínio da Puma ao futebol feminino do Palmeiras

Em setembro de 2020, na reta final do Campeonato Brasileiro feminino, a Puma anunciou um acordo inédito de patrocínio à equipe do Palmeiras. As jogadoras do time passaram todas a ser patrocinadas pela marca esportiva. A Brain Comunicação ficou responsável por entregar a mensagem de que a marca esportiva apoiava e inspirava mulheres no esporte. A ideia era reforçar com os principais jornalistas do meio de esportes e lifestyle a importância e ineditismo no mundo do patrocínio promovido pela empresa. Foram mais de 240 inserções nos principais veículos dos dois segmentos, além de resultados conquistados na mídia internacional, com aceitação de palmeirenses, fãs de futebol e jornalistas.

Trama Comunicação e o projeto "A Bola do Jogo" da Penalty e do NBB

Com o cancelamento da temporada 2019/2020 do NBB, a Penalty e a liga de basquete decidiram criar uma ação para manter a conversa sobre a modalidade ativa nas redes sociais mesmo sem jogos, com o objetivo de engajar os fãs da modalidade e despertar o interesse de novos públicos para o basquete, principalmente adolescentes e crianças, que tiveram o ano letivo interrompido e, portanto, não teriam o contato com a modalidade nas aulas de educação física e no convívio escolar. A marca e a entidade criaram o concurso cultural #ABolaDoJogo, convocando crianças de até 14 anos para desenharem a bola da abertura da temporada 2020/2021 do NBB. Os desenhos deveriam ser publicados no feed do Instagram com a expressão #ABolaDoJogo, marcando os perfis da Penalty e do NBB na rede social. O desenho mais votado pelo público seria replicado pelo artista plástico Tom Veiga em uma bola modelo Crossover Pro 7.8, e a bola estilizada seria usada no jogo de abertura da nova temporada do NBB. A divulgação inicial do concurso foi realizada a partir da segunda quinzena de setembro de 2020 por meio das redes sociais do NBB e da Penalty, e pela assessoria de imprensa da Penalty, Trama Comunicação, e da Liga Nacional de Basquete. Na segunda fase do concurso, além das divulgações nacionais e nas praças que são referência da modalidade, o trabalho de imprensa abordou os principais veículos das cidades das crianças finalistas: Assis (SP), Campina Grande (PB), Itumbiara (GO) e Mogi das Cruzes (SP). Ao final do mês de outubro, foi divulgado para a imprensa o resultado do concurso, reforçando a comunicação na região da vencedora. A relevância da pauta foi ainda maior por conta da temática de desenho: a luta contra o racismo. No mês de novembro, o tema foi retomado para promover o início da nova temporada do NBB, já que a bola customizada foi utilizada no jogo de abertura do campeonato.

A divulgação de todas as etapas do concurso gerou um total de 77 matérias na mídia a partir de ações de divulgação para a imprensa, alcançando uma audiência de 3,4 milhões pessoas e valoração de R$ 1,9 milhão para a marca Penalty.

Fortaleza e a campanha no Dia da Consciência Negra

O Fortaleza usou um jogo de seu time principal pelo Campeonato Brasileiro para chamar a atenção para a violência contra negros no Brasil. Para isso, transformou a tradicional camisa listrada do time em um alvo. Os atletas negros do time entrarem com a camisa em campo, com intuito de chamar atenção para o racismo no Brasil, e lançar um abaixo-assinado para mudança de uma lei do esporte que não pune injúrias raciais quando realizadas dentro do estádio. A escolha foi pela partida contra o Corinthians, transmitida pela Rede Globo para todo o país, para dar maior alcance à ação. Algumas camisas com o alvo foram enviadas para influenciadores envolvidos com a causa. Além disso, na entrevista no intervalo da partida, o repórter da TV e o capitão do time, um atleta negro, falaram sobre a camisa e a ação. Foram ainda gravados relatos de atletas do próprio elenco que haviam sofrido ou testemunhado algum episódio de racismo em suas carreiras. A ação teve mais de 1,4 milhão de impressões, 153 mil interações, alcançando mais de 500 mil pessoas e gerando mais de 3 mil assinaturas na petição.