Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Outros / Olimpíada

Tóquio estima gasto de US$ 13,6 bilhões com Jogos adiados para 2021

Valor teve redução de 11,7% em relação à parcial divulgada no início do mês

Adalberto Leister Filho - São Paulo (SP) Publicado em 23/12/2021, às 12h31 - Atualizado às 12h35

Jogos de Tóquio custaram R$ 77,6 bilhões segundo conta mais recente de Comitê Organizador - Reprodução / Instagram @tokyo2020
Jogos de Tóquio custaram R$ 77,6 bilhões segundo conta mais recente de Comitê Organizador - Reprodução / Instagram @tokyo2020

O Comitê Organizador dos Jogos de Tóquio estimou que a Olimpíada e Paralimpíada custaram US$ 13,6 bilhões (R$ 77,62 bilhões). Segundo os organizadores, houve uma redução de US$ 1,8 bilhão (R$ 10,3 bilhões) ou 11,7% nos custos.

A quinta versão dos custos, que havia sido divulgada no início do mês, havia estimado as despesas em US$ 15,4 bilhões (R$ 87,9 bilhões).

A redução foi alcançada, segundo os organizadores devido a "esforços para conter despesas, incluindo simplificação e revisão de contratos associados a eventos sem torcedores".

O novo valor inclui custos associados ao adiamento do evento, originalmente marcado para 2020 mas que teve que ser postergado devido à pandemia do novo coronavírus. Por outro lado, o comitê também implementou corte de despesas para reduzir custos.

Antes do adiamento, os Jogos de Tóquio 2020 estavam programados para custar US$ 13 bilhões (R$ 74,2 bilhões). Já era um valor bem acima do previsto inicialmente. Quando ganhou a eleição, superando as propostas de Istambul e Madri, o Japão acreditava que iria gastar US$ 7 bilhões (R$ 40 bilhões). Ou seja, os Jogos acabaram custando 94,3% a mais do que o previsto inicialmente. 

Os organizadores também afirmaram ter tido prejuízo de cerca de US$ 800 milhões (R$ 4,566 bilhões) pela impossibilidade de vender ingressos. Por medida sanitária, Tóquio 2020 realizou a competição sem a presença de público.

"Essa estimativa é baseada na situação atual da execução do orçamento e incorpora o custo de remoção e restauração de estruturas temporárias nos locais de competição e a revisão dos contratos com base no número de espectadores", afirmaram os organizadores, por meio de nota.

Apesar do temor de prejuízo sem essa fonte de receitas, o poder público conseguiu reduzir sua parcela nos custos da Olimpíada e Paralimpíada. O governo federal cortou US$ 300 milhões (R$ 1,7 bilhão) em despesas. Já a Prefeitura de Tóquio gastou US$ 700 milhões (R$ 4 bilhões) a menos do que o previsto no início do mês.

"As despesas relacionadas às medidas tomadas para responder à pandemia, como medidas para combater a Covid-19, serão cobertas conforme estipulado no acordo sobre compartilhamento de despesas adicionais", afirmaram os organizadores, em declaração conjunta com a prefeitura local e o governo federal do Japão.