Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Tóquio 2020 / Incentivo ao esporte

Após sucesso em Tóquio 2020, atletas pedem mudanças em carta aberta nas redes sociais

Redação Publicado em 16/08/2021, às 15h49

Imagem Após sucesso em Tóquio 2020, atletas pedem mudanças em carta aberta nas redes sociais

Os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 chegaram ao final com o melhor resultado já obtido pelo Brasil na história da maior competição esportiva do mundo. Além do número recorde de medalhas (21), o país ainda alcançou a melhor colocação no quadro de medalhas (12ª) e igualou o recorde de ouros (7), número também conquistado no Rio de Janeiro 2016.

Para aproveitar o momento de êxtase do esporte nacional, diversos atletas e ex-atletas decidiram mobilizar as redes sociais para enaltecer e parabenizar o “ecossistema esportivo brasileiro” por meio de uma carta aberta. Elaborada pela “Atletas pelo Brasil”, organização sem fins lucrativos que trabalha por políticas públicas no segmento esportivo, o material também apontou a importância de priorizar o esporte nas escolas e propôs uma espécie de agenda, com medidas a serem adotadas em caráter de urgência.

“Apesar dos avanços dos últimos anos, especialmente para o alto rendimento, ainda temos muito a fazer para garantir o acesso e estimular a prática esportiva, da infância à fase adulta, para os mais de 200 milhões de brasileiros”, expuseram nomes como Gustavo Borges, Hortência, Magic Paula, Daiane dos Santos, Flávio Canto e Pâmela Rosa, em seus respectivos perfis no Instagram.

Divulgação / Atletas pelo Brasil

O principal caminho apontado pela carta aberta para minimizar o cenário de defasagem esportiva do país é a implementação do Plano Nacional do Desporto (PND), política que estabelece diretrizes, objetivos e metas para o desenvolvimento nacional do esporte e ainda prioriza o esporte como ferramenta educacional.

“O projeto de lei está parado há 23 anos no Governo Federal. O esporte precisa de uma política de estado, pois a prática esportiva transforma não apenas o indivíduo, mas toda uma nação”, comentou a ex-jogadora de basquete Hortência.

A princípio, o PND seria capaz de direcionar os recursos públicos para o setor esportivo de maneira planejada entre Governo Federal, estados e municípios. Sem o documento, no entanto, os recursos não são aplicados estrategicamente e os agentes integrantes do sistema esportivo acabam ficando sem atribuições claras.

Leia abaixo o conteúdo da carta aberta na íntegra:

“Emoção, batimento acelerado, orgulho. Quem não ficou com os olhos marejados ao ver as conquistas e façanhas dos nossos atletas nos últimos dias? Na Olimpíada em que o Brasil conquistou seu maior número de medalhas da história, parabenizamos todos os atletas, os demais profissionais que trabalharam para que chegassem lá e o ecossistema que permitiu o desenvolvimento de suas atividades.

Apesar dos avanços dos últimos anos, especialmente para o alto rendimento, ainda temos muito a fazer para garantir o acesso e estimular a prática esportiva, da infância à fase adulta, para os mais de 200 milhões de brasileiros. Falta priorizar o esporte na escola, tão fundamental para contribuir com a inclusão e o desenvolvimento social do país.

Faz-se necessária uma Agenda para o setor que supere os obstáculos que ainda persistem. Duas são as medidas a serem adotadas urgentemente. Uma é a adoção e implementação do Plano Nacional do Desporto, política que direciona os recursos públicos para o setor de maneira planejada entre Governo Federal, Estados e Municípios, priorizando o esporte educacional. Outra é a revisão e reestruturação do Sistema Nacional do Esporte, política de articulação entre poder público, privado e terceiro setor, coordenando de forma racional as ações entre os entes de governo e demais atores não estatais na promoção de políticas esportivas.

Esta é uma agenda de toda a sociedade e, principalmente, dos atores envolvidos com o ecossistema do Esporte. Juntos, conseguiremos atingi-la para o melhor desenvolvimento do setor, do país, e para a formação de uma cultura esportiva.

Seguiremos buscando incansavelmente as melhores políticas públicas para o setor, pois é emocionante e nos dá muito orgulho assistir à vida de um brasileiro sendo transformada pelo Esporte!”