Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Tóquio 2020 / Em alta

Colégio Arquidiocesano, em SP, vê salto de interesse em esportes olímpicos

Conquistas dos brasileiros em Tóquio ampliou o interesse por modalidades "desconhecidas"

Redação Publicado em 30/08/2021, às 16h51

Colégio Marista Arquidiocesano crê em aumento da procura por aulas de ginástica pós-Tóquio - Divulgação
Colégio Marista Arquidiocesano crê em aumento da procura por aulas de ginástica pós-Tóquio - Divulgação

Há pouco mais de um mês, o torcedor brasileiro estava dividindo o sono das madrugadas com a disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio. As medalhas inéditas conquistadas por atletas como Rebeca Andrade, Ítalo Ferreira, Rayssa Leal, Kelvin Hoefler e Alison dos Santos trouxeram para nós o contato com esportes até então pouco conhecidos.

O reflexo da Olimpíada no imaginário dos jovens já começa a ser visto nas escolas. No Colégio Marista Arquidiocesano, localizado em São Paulo, por exemplo, houve um aumento do interesse dos alunos em praticar as modalidades olímpicas. Pelo menos é o que aponta Mario de Oliveira, coordenador do Núcleo de Atividades Complementares (NAC) do Arquidiocesano.

“Compreendemos que também é papel da escola criar uma cultura da prática de esportes entre os alunos e de descobrir talentos”, afirmou o professor do colégio que teve entre seus alunos o mesa-tenista Gustavo Tsuboi, que chegou às oitavas de final no individual masculino. 

“Uma gama variada de modalidades artísticas, culturais e esportivas promovem a integração e influenciam positivamente na autoestima, na criatividade, na concentração e no espírito de equipe entre os alunos”, disse Mario.

O Arquidiocesano levou o tema da Olimpíada para disciplinas como português, inglês, geografia e história. Além disso, passou a estimular a discussão sobre os Jogos entre os estudantes.

“Essa integração transversal, em que o tema é tratado sobre diversas visões e aspectos, aumenta ainda mais o interesse no assunto”, afirmou Mario, que diz ter havido maior procura pelas aulas de ginástica por conta da Olimpíada, além das modalidades estreantes.

“Com o sucesso da Rebeca Andrade, a ginástica artística certamente ganhará muitos novos adeptos. O interesse nesses esportes aumenta muito entre os jovens”, completou o coordenador.