Tóquio-2020

Nas redes sociais, COB perde apenas para Estados Unidos

por Redação
A
A

O Comitê Olímpico do Brasil é o segundo mais popular nas redes sociais entre os 30 principais comitês do mundo. O levantamento, realizado pelo Ibope Repucom, mostrou que apenas o time dos Estados Unidos tem mais fãs nas redes.

A pesquisa considerou os 30 comitês com melhor performance no quadro de medalhas dos últimos Jogos Olímpicos. Assim como faz com os clubes brasileiros, o Ibope Repucom levantou os números de Facebook, Twitter, Instagram, Youtube e Tik Tok.

No total, o Time Brasil tem 2,9 milhões de seguidores. E, como ocorre com outros comitês, a maioria está concentrada no Facebook, com 2,2 milhões. A entidade brasileira também é uma das poucas que já está no Tik Tok, rede ainda pouco explorada por outros países. São 48,7 mil seguidores na rede.

Apesar da boa performance do Brasil nas redes, o país ainda está bem atrás do primeiro lugar. Com 8,5 milhões, os Estados Unidos lideram com sobra. A curiosidade é que o país espalha mais seus seguidores, com 4 milhões no Facebook e mais de 1 milhão no Tik Tok.

publicidade
Tabela divulgada pelo Ibope Repucom com os seguidores de cada comitê olímpico
Tabela divulgada pelo Ibope Repucom com os seguidores de cada comitê olímpico
publicidade

Em nota, o diretor executivo do Ibope Repucom, Arthur Bernardo, ressaltou o alcance brasileiro do Time Brasil. “Termos sido o país-sede em 2016 foi o principal fator para o crescimento e manutenção do interesse dos brasileiros pelos Jogos Olímpicos. Hoje, 72% dos internautas brasileiros com 18 anos ou mais se declaram fãs de Olimpíadas, um salto de 30% em relação a 2016. Após mais de quatro anos da “Rio 2016”, estamos nos lugares mais altos do pódio em alcance digital, um legado valioso e que oferece um enorme potencial para os patrocinadores na promoção e associação de suas marcas aos valores mais nobres do esporte mundial”.

A diretora de marketing do COB, Manoela Penna, exaltou o empenho da entidade em caminhar com as principais tendência. “A inteligência digital é fundamental. Estamos sempre atentos às tendências, o que nos leva a incorporar rapidamente e com consistência o que tem de mais quente nas nossas estratégias. Isso vale para as lives, que começamos a fazer sistematicamente mesmo antes da pandemia, e também para nossa chegada ao Tik Tok”, afirmou a executiva.

publicidade

Futebol inicia pressão por nova paralisação