Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Adidas quer dobrar participação nas redes sociais até 2017

Empresa tem como meta ousada que pelo menos 30% de conteúdo seja produzido pelos usuários

Adalberto Leister Filho - São Paulo (SP) Publicado em 13/04/2015, às 07h57 - Atualizado às 10h57

Imagem Adidas quer dobrar participação nas redes sociais até 2017

Página da Adidas no Facebook

A Adidas pretende dobrar sua participação atual nas redes sociais até 2017. Atualmente, a empresa alemã possui 135 milhões de seguidores no Twitter, Instagram, Facebook e Youtube. Outra meta, essa bastante ousada, da empresa, é que pelo menos 30% do conteúdo divulgado nessas plataformas seja produzido pelos usuários.

O “Plano de cinco anos” da multinacional, divulgado em março, estabelece que para a marca será muito mais vantajoso mostrar, nas redes sociais, que consumidores, atletas, equipes, parceiros e mídia estão dizendo que os produtos Adidas são melhores.

O problema dessa iniciativa é que hashtags muitas vezes se tornam trashtags. Em 2012, o McDonald’s lançou a hashtag #McDStories para estimular o consumidor a contar sua relação com a empresa. O problema é que a rede de fast food foi bombardeada por reclamações de consumidores e críticas à má qualidade de sua comida.

No mesmo ano, outra iniciativa nas redes sociais que naufragou foi feita pela Waitrose. A rede de supermercados britânica convidou o consumidor a completar a frase: “Eu compro no Waitrose porque...” Entre as respostas que mais fizeram sucesso estava: “Porque odeio estar cercada por pessoas pobres”.  

O JP Morgan, por sua vez, teve que cancelar em seu Twitter a hashtag #AskJPM após receber uma saraivada de críticas. Problemas semelhantes já ocorreram em outras plataformas de mídias sociais, como Facebook e Instagram.

Para a Adidas, porém, as redes sociais podem se tornar uma forma eficaz de falar com consumidores jovens e renovar seu público. A empresa acredita que possa criar esse canal de comunicação eficiente com o consumidor, sem prejuízo para a imagem da marca, para fazer frente ao domínio da concorrente Nike nesta área.