Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Análise: Londres mostra que legado é trabalho contínuo

Duda Lopes compara a herança da Copa do Mundo no Brasil com a das Olimpíadas de Londres-2012

Duda Lopes - Londres (ING) Publicado em 04/11/2014, às 10h31 - Atualizado às 12h31

Imagem Análise: Londres mostra que legado é trabalho contínuo

Receber os Jogos Olímpicos demanda um grande esforço político e financeiro da cidade e país sede. O Brasil já sente esse peso antes do evento de 2016, graças a uma Copa do Mundo marcada por gastanças inúteis que revoltaram parte da população. No futebol, o tal legado virou piada.

O benefício deixado pelas estruturas montadas é o único argumento para um país investir bilhões no evento, mas não faltam exemplos do quanto isso é difícil de tornar realidade. O Brasil é um caso de insucesso nesse sentido, seja com o Pan-Americano de 2007 ou com a própria Copa do Mundo.  

Mas a dificuldade não é exclusividade de terceiro mundo. Sidney, por exemplo, está longe de ser um bom exemplo. A cidade mais populosa do país vice-campeão em IDH tem um parque olímpico vazio em pessoas e negócios. Longe, claro, do abandono que afundou a Grécia após os Jogos de Atenas, em 2004.

Planejamento tem sido a ordem para que Londres fuja dos cenários mais perversos. É visível que o Parque Olímpico está longe de ser um grande sucesso urbano, mas há um esforço permanente para isso. A área, mais pobre, já recebia investimentos antes dos Jogos. Hoje, há incentivos para a população e para a empresa. O local ainda abriga um hub de transporte público, com ônibus, trem e metrô.   

No Rio de Janeiro, há a clara impressão de que o problema não é tratado como algo realmente complexo. Mais uma vez.