Apex supera estimativa e gera U$ 101 mi na Indy

"Todas as empresas fizeram algum negócio", garante presidente da Apex

Com 99 empresas de 34 diferentes países, a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) esperava gerar R$ 95 milhões em negócios para as 38 companhias brasileiras presentes na Fórmula Indy, finalizada em São Paulo na manhã desta segunda-feira (2). Após três dias de evento, a meta foi superada em alguns milhões.

Durante a etapa paulista, que teve de ser adiada no último domingo devido às fortes chuvas que caíram sobre a cidade, o órgão governamental estima ter gerado US$ 101 milhões nos próximos 12 meses em negócios entre companhias nacionais e estrangeiras. Os Estados Unidos, neste projeto, são o mercado preferencial.

"Posso garantir que todas as empresas que estiveram na Indy, desde as que vendem mamão papaia até as que comercializam softwares, fizeram algum negócio durante o evento", afirmou Mauricio Borges, presidente da Apex-Brasil, no evento. Otimista, o executivo chegou a estimar que os negócios bateriam US$ 150 milhões. 

À Máquina do Esporte, o presidente reforçou a aposta no esporte como plataforma para fazer negócios. A agência, cuja principal finalidade é justamente gerar relacionamento entre empresas nacionais e estrangeiras, esteve na Indy paulista pela segunda edição seguida e pretende manter a estratégia nas próximas temporadas.

Para gerar ambiente adequado para tal objetivo, a Apex montou um dos camarotes mais sofisticados da etapa paulista da Fórmula Indy. Com dois andares, visão privilegiada da pista e refeição de primeira linha à disposição, o órgão tentou proporcionar clima propício para interação entre empresários brasileiros e norte-americanos.

Globalmente, o projeto da Apex-Brasil para a categoria é ainda mais abrangente. O "Projeto Fórmula Indy", como foi denominado, consiste em repetir o modelo em todas as provas da modalidade - 12 nos Estados Unidos, uma no Brasil, uma no Canadá e uma no Japão - para ampliar as oportunidades de empresas brasileiras. 

Para a temporada de 2011, espera-se que o total de negócios gerados esteja acima dos US$ 700 milhões. O número é superior aos R$ 590 milhões e R$ 370 milhões registrados em 2010 e 2009, respectivamente. Com 12 etapas a serem disputadas neste ano, caso o ritmo de negócios criados seja mantido, o objetivo deve ser atingido.