Após cinco meses, executivo-chefe deixa Internacional

O presidente Giovanni Luigi com Aod Cunha: rescisão amigável.

O presidente Giovanni Luigi com Aod Cunha: rescisão amigável.

A presença do economista Aod Cunha no Internacional durou menos que o esperado. Com contrato assinado em janeiro para ser o executivo-chefe do clube, o profissional rescindiu o seu acordo nesta terça-feira, com a promessa de ficar mais um mês colaborando com a diretoria no projeto em que estava inserido, além de ajudar na escolha de um substituto.

Segundo o executivo, a decisão foi amigável, com aval da presidência de Giovanni Luigi. “Há um tempo eu estava querendo retornar para a área econômica. Antes, o presidente tinha pedido para eu esperar, mas agora chegou a hora”, afirmou.

Aod Cunha é um economista pós-doutor com nome forte no mercado. Leciona na Pontíficia Universidade Católica de Porto Alegre e foi assessor econômico especial do governo estadual de Antonio Britto, conselheiro titular do Conselho Regional de Economia e presidiu a Fundação de Economia e Estatística (FEE).

Suas conversas com o atual presidente colorado, Giovanni Luigi, iniciaram antes mesmo de sua eleição, em outubro de 2010. Após a confirmação, foi contratado já em janeiro, com função de ser o CEO do clube, fortalecendo a intenção do Internacional em profissionalizar a sua gestão. Como meta, manteve o foco na redução de custos e na fomentação de receitas.

Apesar de sua saída, Cunha manteve os seus desejos para o clube. “Espero que o Inter dê passos mais ousados rumos à profissionalização. O futebol brasileiro precisa de passos mais largos nessa direção. Hoje, o rumo não é em linha reta: ele avança e retorna. Cada vez mais, o amadorismo custará caro aos cofres dos clubes do país”, finalizou.