Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Associação de indústria do esporte lança pauta de reivindicações

Ápice, que congrega principais marcas do setor, promove estudo para examinar tamanho do mercado do Brasil

Adalberto Leister Filho - São Paulo (SP) Publicado em 05/03/2015, às 08h55 - Atualizado às 11h55

Imagem Associação de indústria do esporte lança pauta de reivindicações

Marina Carvalho, diretora-presidente da Ápice

A Ápice (Associação pela Indústria e Comércio Esportivo) lança neste ano uma pauta de reinvindicações. A entidade, que nasceu em 2010 com o nome de Move (Movimento pela Livre Escolha) e mudou neste ano de nome, congrega as principais marcas esportivas do país. Adidas, Alpargatas, Asics, New Balance, Nike, Oakley, Paquetá, Puma, Sketchers e Under Armour fazem parte da associação.

Em 21 de maio, a Ápice irá apresentar sua agenda para alavancar o setor no Brasil em 2015 e 2016. O evento será no estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF), com a participação de representantes da entidade e autoridades governamentais.

“Temos quatro pilares: fortalecimento de pesquisa e desenvolvimento de inovações, ampliação da escala industrial no Brasil, questões de sustentabilidade e aumentar o acesso ao mercado exterior”, afirmou Marina Carvalho, diretora-presidente da Ápice.

A entidade também busca quantificar o tamanho do setor hoje no país. Para isso, já foi encomendado um estudo. Atualmente, a única pesquisa disponível é do Iemi (Instituto de Estudos e Marketing Industrial), que se deteve exclusivamente em calçados esportivos e roupas, sem incluir equipamentos.

Segundo o instituto, o segmento faturou R$ 3,7 bilhões em 2013, com 76 milhões de pares produzidos e geração de 53 mil empregos diretos ou indiretos. O esporte representa 8,5% dos calçados produzidos no país, mas é responsável por 14% do faturamento do setor.

“Encomendamos um novo estudo, que deve ficar pronto em maio, para termos dados mais precisos do tamanho da indústria do esporte no país”, conta Marina.