Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Atrás de comprador, Vitton 44 amplia apoio no Rio com Vasco

Dono da marca, Neville Proa, tem plano de vender a empresa em breve

Erich Beting - São Paulo (SP) Publicado em 02/04/2015, às 18h01

Desde o início do ano, a Vitton 44 se transformou numa espécie de mecenas do futebol do Rio de Janeiro. Por meio das marcas Guaravita, Guaraviton e Matte Viton, a empresa comandada por Neville Proa passou a dominar as camisas dos principais times do Estado. Nesta quinta-feira, fará a assinatura com o único clube que faltava entre os grandes: o Vasco.

Até dezembro de 2016, a marca da Guaraviton estará nas mangas do uniforme vascaíno, em investimento de cerca de R$ 15 milhões.

Por trás desse investimento no futebol do Rio (a marca está nas costas da camisa do Flamengo, na cota máster e mangas do Fluminense e no estádio Maracanã) há um interesse de Neville Proa, dono da Vitton 44: vendê-la.

Recentemente, em entrevista à revista Exame, Proa confirmou que pretende encontrar um comprador para a empresa, já que não deve conseguir fazer com que seu filho herde a companhia, já que ainda não tem idade para isso. Dessa forma, o investimento no futebol torna-se uma plataforma para ampliar a exposição da marca e atrair possíveis compradores.

A estratégia é similar à adotada pela Medial Saúde em 2008, quando patrocinou o Corinthians. No ano seguinte, a empresa acertou sua venda para o Grupo Amil.

A confirmação do patrocínio da Vitton 44 ao Vasco representa o fim do vínculo da empresa com o Botafogo, curiosamente o primeiro time a fechar com a marca.

Com o acerto, o Vasco passa a se concentrar agora apenas na renovação do vínculo com a Caixa, que é patrocinadora máster do clube, mas que está sem pagá-lo, já que o acordo acabou, o clube não tinha a certidão negativa de débitos para receber da estatal e, agora, tenta uma renovação.

No ano passado, quando disputou a Série B do Brasileirão, o Vasco recebeu R$ 15 milhões por dez meses de compromisso. Para 2015, pediu R$ 18 milhões pelo ano inteiro. A valorização também se deve ao retorno do clube à divisão de elite do país. A proposta está sendo analisada.