Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Blatter anuncia meta para seguir na Fifa

Blatter anuncia meta para seguir na Fifa

Guilherme Costa em São Paulo - SP Publicado em 10/06/2010, às 13h00

O suíço Joseph Blatter vai se candidatar a mais um mandato na presidência da Fifa. O próximo pleito para o comando da entidade acontecerá em junho de 2011, e o atual mandatário anunciou nesta quinta-feira a ideia de manter sua posição para os próximos quatro anos. Blatter participou da 60ª edição do congresso da Fifa, no Sandton Convention Center, em Johanesburgo. O evento também serviu para apresentar dados sobre a entidade e a Copa do Mundo deste ano, e contou com estandes das nove candidaturas a sede das edições do torneio em 2018 e 2022 ? os locais serão definidos no fim deste ano. O anúncio de Blatter, que preside a Fifa há 13 anos, foi significativo. Ao manifestar diante dos principais dirigentes do futebol mundial o interesse de seguir na entidade, o suíço reforçou o valor político do congresso desta quinta-feira. Isso ficou claro nos contatos entre dirigentes responsáveis pelas candidaturas às duas próximas Copas. Após ter participado de entrevista coletiva, por exemplo, Blatter foi abordado por um dirigente do projeto japonês para conversar sobre as ideias que o país tem para o torneio. A união das candidaturas com o anúncio colocou Blatter em situação privilegiada. No início de sua ?campanha? oficial para seguir na Fifa, o dirigente teve a oportunidade de interagir com representantes locais que também buscam apoio para suas causas. Oitavo presidente da história da Fifa, Blatter é o sucessor do brasileiro João Havelange. Ele foi eleito em 1998, quando já ostentava 23 anos de trabalho na entidade. ?Minha missão ainda não acabou. Estou com força para continuar a fazer meu trabalho?, disse o suíço nesta quinta-feira. Blatter usou evasivas, contudo, quando foi questionado nesta quinta-feira se a próxima candidatura será a última dele na Fifa. O presidente também evitou polêmica sobre a possibilidade de ter um concorrente no pleito em 2011.