Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Brasil Open de tênis tenta se firmar como alternativa às marcas

Desde criação do Rio Open, torneio em SP tenta reinventar sua fórmula

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 26/02/2018, às 09h49 - Atualizado às 12h49

Imagem Brasil Open de tênis tenta se firmar como alternativa às marcas

Foto: Reprodução / Twitter (@ATPWorldTour)

Desde 2014, quando o Rio Open começou a ser disputado, o Brasil Open, até então maior torneio de tênis do país, tenta reinventar sua fórmula para seguir atraindo público e patrocinadores aos jogos.

A partir desta segunda-feira (26), a competição retorna ao ginásio do Ibirapuera, local em que viveu seu momento de ápice ao receber o espanhol Rafael Nadal, em 2013.

Se a expectativa de público está bem distante daquele ano, quando os jogos receberam 50 mil torcedores, pelo menos o foco agora é dar mais possibilidades de ativação de marca aos patrocinadores.

O espaço no Ibirapuera permite à organização trabalhar melhor as ações com as marcas e, mais do que isso, consolidar o torneio, que é da categoria 250 da ATP, como uma alternativa para as empresas.

A Vivo é a principal apoiadora do evento, em estratégia para brecar o avanço da Claro, que dá nome ao Rio Open. Além dela, marcas que não estão no torneio carioca estão ligadas ao Brasil Open, como as seguradoras BB e Mapfre e o laboratório farmacêutico EMS.

“É uma honra termos a nossa marca em um torneio de prestígio e em um esporte tão inspirador e encantador como o tênis, que trabalha valores como ética, disciplina e o fairplay”, disse Josemara Tsuruoka, gerente de marketing institucional do laboratório EMS.

O torneio também tem servido como palco de inovações para as ativações das marcas. A empresa de alimentos para cães PremieRpet, por exemplo, fará pelo terceiro ano seguido a ação dos “CãesDulas”, que coloca cachorros para atuarem como pegadores de bola na semifinal da competição.

Outras empresas usam o Brasil Open para seguir o foco no tênis, casos da Peugeot e da Fila, que continuam com ativações no tênis após o Rio Open, agora em São Paulo.