Brasileiro vê bilheterias estagnadas entre 2010 e 2011

Liderança de clubes populares não alavancou bilheterias em 2011

Liderança de clubes populares não alavancou bilheterias em 2011

O primeiro turno do Campeonato Brasileiro terminou no último fim de semana, com Corinthians e Flamengo nas duas primeiras posições, respectivamente. Mas, embora os dois clubes de maior torcida do país estejam à frente na tabela, diferentemente do ano passado, as bilheterias de 2011 apontam números quase idênticos aos de 2010.

Dentre as 190 partidas que deveriam ter sido realizadas na primeira etapa da competição, uma foi adiada para outubro e 13 não possuem boletim financeiro publicado no site oficial da CBF, apesar de a legislação obrigar a entidade a tal tarefa. Com base nos registros de 176 jogos, portanto, o cenário praticamente não mudou.

A receita bruta acumulada de todos esses confrontos aponta R$ 48,4 milhões arrecadados, segundo levantamento feito pela Máquina do Esporte. Caso os 13 boletins financeiros faltantes estivessem disponíveis, esse indicador estaria muito próximo do que foi levantado no primeiro turno de 2010, em torno de R$ 55,9 milhões em 190 jogos.

Em termos de despesas com manutenção dos estádios e taxas impostas por árbitros e federações, a edição de 2011 do Nacional também é levemente inferior à de 2010. Ao todo, nesta temporada, foram gastos R$ 21,9 milhões, ante R$ 23,9 milhões do ano anterior. Novamente, os registros ausentes equilibrariam a conta.

Como ambos os indicadores acima estiveram muito perto dos que foram registrados no ano passado, a receita líquida obtida pelos mandantes - isto é, o dinheiro que de fato foi depositado nos cofres de cada um deles - não apresenta nenhuma incongruência. Foram R$ 22 milhões lucrados em 2011, contra R$ 24,9 milhões, em 2010.

Leia mais:

Brasileiro vê bilheterias estagnadas entre 2010 e 2011

Coritiba e Flu encerram primeiro turno com prejuízos

Bahia volta à elite com 3ª maior bilheteria do país

Ceará despenca nos tíquetes e deixa de ser sensação

Exilados, mineiros sofrem para lucrar com ingressos

Pacaembu é estádio mais dispendioso do Brasileiro