Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Cariocas lideram ranking de dívidas

Cariocas lideram ranking de dívidas

Duda Lopes e Rodrigo Capelo em São Paulo - SP Publicado em 02/06/2010, às 20h00

Fluminense, com R$ 329 milhões, Vasco, com R$ 327 milhões, Botafogo, com R$ 317 milhões, e Flamengo, com R$ 308 milhões lideram um ranking nada nobre: o dos clubes mais endividados do Brasil. Como nenhum deles está entre os cinco que mais arrecadam ? Flamengo fica em sexto com R$ 120 milhões ? os números têm incomodado os times cariocas. A dívida em si não é necessariamente um problema. O São Paulo, por exemplo, tem R$ 66 milhões, mas arrecada R$ 174 milhões e controla as suas folhas sem maiores dramas. O problema aparece quando não se há a capacidade de administrá-las. O Fluminense, líder da lista, tinha em 2007 R$ 275 milhões de dívida. Um aumento de 20% em dois anos explicita a falta de controle da diretoria do clube. Segundo Amir Somoggi, diretor de futebol da Crowe Horwath RCS, empresa de consultoria que fez o levantamento, esse tem sido um legado pesado para os times do Rio de Janeiro: ?Eles têm grandes dívidas com governo e ampliaram endividamento em outras frentes. Não conseguiram se reestruturar e não reduziram os passivos. Já têm histórico e não conseguem resolver?. Mesmo com apoio de ações de governo como o Time Mania e mesmo com a proteção por ser um clube, ou seja, não pode decretar falência, os cariocas sofrem para se manterem fortes. O grande entrave é que, com essas condições financeiras, eles perdem força em financiamentos para investimentos, como em jogadores. ?O Fluminense tem parceiro, sozinho ele já não teria condições de se manter forte?, afirma Somoggi. Para o diretor é preciso criar modelos de negócios e de administração que tornem as dívidas sustentáveis. Hoje, Flamengo está mais bem estruturado, mas Botafogo e Fluminense demonstram baixa arrecadação e dívidas complicadas. Eles estão em situações mais delicadas do que outros times tão grandes quanto, com dívidas altas, mas que conseguem se manter fortes, caso de Corinthians, Internacional e São Paulo.