Com AEG, Palmeiras admite revisão em eventos de arena

As diretorias do Palmeiras e da construtora WTorre já começaram a refazer os planos. O clube apresentou na última quinta-feira a AEG, empresa que será responsável pela operação da arena que será erguida no lugar do antigo estádio Palestra Itália. O primeiro efeito imediato da parceria foi uma inflação na estimativa de eventos para o aparato.

Anteriormente, os responsáveis pela construção do estádio trabalhavam com uma previsão anual de cem eventos corporativos e 80 ações de grande porte (esse número soma projeções para anfiteatro e interior da arena). Desde que a parceria com a AEG foi fechada, esse projeto começou a ser revisto.

A parceria também motivou uma revisão na ideia de faturamento com a arena. Um levantamento inicial de Palmeiras e WTorre havia estipulado US$ 1 bilhão como meta de novas receitas com o estádio durante os próximos 30 anos.

“Existem três coisas que são fundamentais para um local ser adequado para receber shows: logística, localização e conteúdo. O projeto da nova arena já tem os dois primeiros pontos, e nós vamos trabalhar para aproveitar isso”, explicou Beto Lima, presidente da Blu Box, agência brasileira que será parceira da AEG na operação da arena.

Além de administrar equipamentos como o Staples Center (Los Angeles) e a O2 Arena (Londres), a AEG é responsável por turnês internacionais de artistas de grande porte. A empresa realizou shows de Paul McCartney, U2 e Justin Bieber no Brasil, por exemplo, e escolheu o Morumbi como sede de todos eles em São Paulo.

A partir da parceria com a nova arena, a AEG passa a ter contrato de exclusividade com o aparato. Portanto, o estádio do Palmeiras passa a concorrer com a casa do São Paulo por eventos desse porte.

Em contrapartida, a AEG pode fechar com outras empresas. Como operadora do estádio do Palmeiras, a companhia pode contratar shows organizados por diferentes marcas.

A conta da diretoria do São Paulo é que a realização de um show de grande porte no Morumbi coloque mais de R$ 1 milhão nos cofres do clube. Neste ano, a previsão tricolor é receber nove eventos dessa proporção.

“O objetivo da AEG é colocar a nova arena entre os cinco estádios mais rentáveis do planeta”, sentenciou Rogério Dezembro, ex-diretor de marketing do Palmeiras e atual responsável por novos negócios na WTorre.

Leia mais:

Expertise e prioridade ao futebol viram cartões de visitas da AEG

Parceira de PE para 2014, AEG minimiza import"ncia de Copa

Palmeiras “some” em apresentação de parceria para arena

Com visitação, Palmeiras tenta consolidar marca “nova arena”

Entrevista: Beto Lima, presidente da Blue Box, que será parceira da AEG