Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Crise afasta MRV e retrai apoio da Medley

Crise afasta MRV e retrai apoio da Medley

Gustavo Franceschini em São Paulo - SP Publicado em 18/12/2008, às 08h00 - Atualizado às 10h00

Pesadelo do esporte fora do Brasil pela debandada de investidores sem precedentes, a crise financeira já chegou com força também no cenário doméstico. Mais que temores e incertezas, a instabilidade econômica já faz diferença para os patrocinados de MRV e Medley, que vão, respectivamente, encerrar e retrair sua atuação no setor em 2009. O caso da construtora é o mais complexo. Grande vitrine da empresa neste ano, o peito da camisa do Vasco terá a Eletrobrás como dono a partir do próximo mês de fevereiro. A MRV foi procurada pelo Vasco para uma renovação, mas negou a possibilidade. ?Tendo em vista os cenários econômicos incertos a empresa preferiu não manter nenhum patrocínio esportivo no primeiro semestre?, disse a engenharia por meio de sua assessoria de imprensa. Com isso, uma história de 14 anos no esporte é paralisada. Foram nove temporadas consecutivas no time feminino de vôlei do Minas Tênis Clube, e outros quatro no Atlético Mineiro, além da última temporada no Vasco. O futebol do Uberl"ndia e o basquete de Franca, que possuíam contratos menores, também devem ficar ?órfãos?. Presente em vários esportes, a Medley também deve recuar de maneira considerável. Carro-chefe da empresa, a Copa Nextel Stock Car vai continuar como o centro das atenções, mas com apenas uma equipe e dois pilotos, em vez dos dois times e três estrelas de 2008. O nível das contratações também não é o mesmo. Ricardo Maurício, atual campeão da categoria, Valdeno Brito, vencedor da Corrida do Milhão Sky e Marcos Gomes darão lugar a Xandinho Negrão, filho de um dos acionistas da empresa e Willian Starostik. Além disso, o patrocínio à competição também entrou em xeque, mas foi descartado a princípio. Na GT3, o cenário não muda porque não é bom desde o meio de 2008. Já com dificuldades, a Medley deixou de investir na categoria extra-oficialmente, e a equipe de Xandy Negrão é bancada pelo próprio piloto. A pior situação é a do vôlei, trunfo da empresa no segundo semestre. Após quatro anos de investimentos, a Medley deixou as duplas de praia Maria Clara/Carol e Pedro Solberg/Harley em uma reavaliação das prioridades. A crise impediu, porém, a realocação dos valores. Nas quadras, o Medley/Banespa depende de pelo menos duas aprovações para continuar. Com compromisso até abril, a companhia pediu um refinanciamento dos aportes, para que todo o montante fosse pago apenas no fim do contrato. A proposta foi vetada pelo clube, que teria de se retirar da Superliga por incapacidade de manutenção. Agora, a Medley sugere um pagamento imediato abaixo do esperado e a quitação normal apenas após a competição. O Banespa não aprovou de maneira oficial, mas já deu sinal verde. As atletas da equipe, no entanto, ainda serão ouvidas, e o time pode sofrer baixas. ?Nós estamos conversando com as atletas, porque se elas quiserem podem sair. Nós queremos fazer tudo às claras. Eles [Medley] me avisaram que tiveram uma cobrança pesada de impostos, e a crise só piorou tudo. Por isso nos procuraram para mudar algumas coisas?, disse Fernando Amorim, diretor administrativo do time.