Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Crises de seleções ofuscam social em evento Adidas

Guilherme Costa em em Johanesburgo (África do Sul) Publicado em 21/06/2010, às 21h05 - Atualizado em 22/06/2010, às 12h05

Imagem Crises de seleções ofuscam social em evento Adidas

A Adidas promoveu evento nesta segunda-feira, em Johanesburgo, para falar sobre a participação dos ex-jogadores Lucas Radebe e Zinedine Zidane em uma clínica de futebol da empresa na cidade. Além disso, aproveitou o fato de a data preceder o confronto entre as seleções dos dois (África do Sul e França, respectivamente) na Copa do Mundo de 2010. A companhia só não contava com o desvio de foco causado pelas crises nas duas equipes.

O problema na África do Sul é técnico. A seleção anfitriã da Copa do Mundo de 2010 empatou com o México na estreia, foi superada pelo Uruguai na segunda rodada e agora corre sérios riscos de ser o primeiro time da casa eliminado em uma primeira fase do torneio.

A campanha negativa da África do Sul ameaça até o trabalho do técnico brasileiro Carlos Alberto Parreira, campeão mundial com a seleção brasileira em 1994. A pressão chegou a ponto de o nome do comandante passar a ser questionado abertamente por jornais locais.

Com tudo isso, porém, a situação da África do Sul ainda é bem menos complicada do que a crise enfrentada pela França. Nos últimos dias, a atual vice-campeã mundial viveu lista de polêmicas que incluem a dispensa do atacante Nicolas Anelka, o pedido de demissão do chefe de delegação, um desentendimento entre o capitão da equipe e o preparador físico, discussão entre jogadores e um levante do elenco contra a federação local – os atletas se recusaram a treinar por conta do corte de Anelka.

As crises de África do Sul e França concentraram a entrevista coletiva desta segunda-feira. Radebe e Zidane falaram pouco sobre favoritos ou o que esperam para os próximos jogos da Copa do Mundo, e grande parte de suas respostas teve como tema a situação das equipes em que atuaram quando eram atletas.

Evidentemente, a pressão foi maior sobre Zidane. Em entrevista trilíngue (espanhol, francês e inglês), o ex-jogador foi questionado sobre a falta de resultados do time nacional, as brigas, a acusação de que existe um traidor e até a participação que ele tem na divisão que existe no elenco.

Zidane chegou a se irritar com uma repórter quando ela perguntou se ele sabia quem era o “traidor” do elenco francês – no último fim de semana, o capitão Patrice Evra disse que havia alguém do grupo trabalhando contra o time e que esse alguém havia passado informações internas à imprensa. Em tom mais exaltado do que no restante da entrevista, o ex-jogador evitou opinar e disse desconhecer bastidores da atual seleção.

Apesar de perguntas e respostas sobre a crise das duas seleções terem concentrado a coletiva, o evento foi montado pela Adidas para falar sobre a participação de Radebe e Zidane em uma clínica de futebol montada pela marca. No último domingo, os dois jogadores conversaram e passaram dicas a 18 meninos da organização não-governamental SOS Children’s Village Ennerdale.