Divergência causa saída de quatro diretores do Fortaleza

Se Baquit não vencer eleições em setembro, cargos voltarão a mudar

Se Baquit não vencer eleições em setembro, cargos voltarão a mudar

Entre julho e agosto, a gestão do Fortaleza sofreu várias mudanças. Após "divergências internas", quatro diretores - marketing, patrimônio, ouvidoria e relações públicas e publicidade - deixaram a direção do clube cearense. Outros profissionais foram apontados para os respectivos cargos e já estão em atividade há pouco mais de duas semanas.

"Queremos dar continuidade ao trabalho, que era muito bom, reestruturando o departamento na medida do possível", afirma Antonio Aldemir, novo diretor de marketing do Fortaleza. O profissional, com experiência na área comercial, substituiu Demetrius Coelho.

De acordo com o novo comandante da área de marketing, não haverá mudanças drásticas em relação às decisões do antecessor. "Estamos chamando parceiros para conversar, revendo contratos, dando uma olhada em acordos que foram firmados pela diretoria passada, então não tem nenhuma grande mudança acontecendo", diz Aldemir.

O novo diretor de marketing é oriundo do Movimento Independente da Torcida Tricolor (Mitt), grupo de torcedores que age em prol do patrimônio do clube cearense, segundo ele. Devido à proximidade com a entidade, há ações de marketing conjuntas sendo executadas pela nova diretoria.

Mas o cenário pode voltar a mudar em breve. O atual presidente do Fortaleza, o deputado estadual Osmar Baquit, pretende concorrer nas próximas eleições presidenciais, com realização prevista para setembro deste ano, mas não há certezas a respeito da vitória nas urnas.

Caso Baquit vença o pleito, a tendência é que Aldemir seja mantido na diretoria de marketing, bem como as outras contratações. Se algum outro candidato for eleito presidente, é provável que esses cargos voltem a ser alterados - Aldemir voltaria para o Mitt, e Coelho poderia reassumir o marketing.

As eleições terão de acontecer pois Paulo Arthur, presidente eleito do Fortaleza, pediu licença do cargo e já assumiu publicamente que não tem mais intenção de comandar o clube tricolor. Baquit, então vice-presidente, tomou posse de modo temporário, mas terá de enfrentar as urnas para permanecer por mais tempo.