Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Facebook fecha primeiro acordo com Premier League para países asiáticos

Gigante das redes sociais transmitirá torneio para Tailândia, Vietnã, Laos e Camboja

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 05/07/2018, às 16h13

Imagem Facebook fecha primeiro acordo com Premier League para países asiáticos

Após perder a “briga” para transmitir a Premier League no streaming com exclusividade para Reino Unido e Irlanda para a Amazon, o Facebook conseguiu uma vitória e fechou seu primeiro contrato com o torneio inglês. O gigante das redes sociais fez um acordo e transmitirá as temporadas 2019/2020, 2020/2021 e 2021/2022 da Premier League para quatro países asiáticos: Tailândia, Vietnã, Laos e Camboja. As informações são do jornal britânico The Times.

Segundo a publicação, o Facebook venceu a concorrência de BeIN Sports e Fox Sports Asia e fechou o acordo por 200 milhões de libras. Os valores oficiais, no entanto, não foram divulgados.

Foto: Reprodução

O pacote de direitos inclui todos os 380 jogos da Premier League disputados a cada temporada e, dessa forma, se torna um dos melhores contratos já fechados pelo Facebook no mercado esportivo até hoje. A notícia vem à tona apenas uma semana após a empresa ter fechado outro grande negócio no Brasil: os direitos da Liga dos Campeões para TV aberta nas próximas três temporadas.

Antes, a empresa de Mark Zuckerberg já havia comprado um dos pacotes de mídia da Libertadores, por exemplo, o que lhe dará o direito de transmitir todos os jogos de quinta-feira da competição sul-americana. Além disso, a rede social também comprou os direitos para exibir a Liga dos Campeões para o continente sul-americano.

Pelo lado da Premier League, fica claro que a competição está cada vez mais interessada em vender seus direitos para o streaming. Isso porque a renda total de direitos domésticos da Premier League caiu significativamente para o próximo triênio em comparação aos acordos atuais.

O CEO da liga, Richard Scudamore, chegou a dar declarações de que espera que o déficit seja compensado pelas vendas de direitos de mídia no exterior. A Ásia parece um mercado cada vez mais promissor nesse sentido.