Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Fifa dá aval para desenvolver futebol na Índia

País emergente, de 1,2 bilhão de habitantes, inaugurou 1ª liga profissional e já atrai patrocinadores importantes

Adalberto Leister Filho - São Paulo (SP) Publicado em 16/10/2014, às 15h27

Imagem Fifa dá aval para desenvolver futebol na Índia

Northeast e Kerala foi um dos jogos que abriu a liga

A Índia passou a ser uma das prioridades no plano estratégico de difusão do futebol da Fifa. Na última quarta-feira, a entidade que comanda o futebol apresentou o plano, feito em conjunto com a AIFF (Associação de Futebol Indiana).

“A Índia é um país prioritário para a Fifa na Ásia em termos de desenvolvimento do futebol. Estamos investindo muito nesse país porque acreditamos no seu enorme potencial. É uma economia em rápido crescimento, com 1,2 bilhão de pessoas”, afirmou Jerome Valcke, secretário-geral da Fifa, em visita ao país.

Um dos principais passos para isso ocorreu no último final de semana, quando foi inaugurada a primeira liga profissional do país. Para a primeira edição do torneio, houve a inscrição de oito equipes: Atletico de Kolkata, Chennai, Delhi Dynamos, Goa, Pune City, Kerala Blasters, Mumbai, Northeast United.

A liga já criou uma marca própria, um site oficial, e a partir da chegada de patrocínios, trouxe alguns jogadores conhecidos, em fim de carreira. Assim, a competição, lançada pela agência IMG, terá a participação de Robert Pires, Anelka, Trezeguet, Del Piero, Materazzi, Ljungberg e Capdevilla, entre outros.

Oito brasileiros atuam no torneio, entre os quais o mais conhecido é o meia Elano, ex-Santos, Grêmio e Flamengo. O jogador, que defendeu a seleção brasileira na Copa do Mundo da África do Sul, em 2010, atua pelo Chennayiyn. Já o técnico Zico dirige o Goa, situado em território que já foi colônia portuguesa.

A iniciativa despertou o interesse de empresas como Hero MotoCorp (patrocinador master), Puma (bola oficial), Samsung, Suzuki e Pepsi, entre outras. O campeonato também possui parceria estratégica com a Premier League, que administra o badalado Campeonato Inglês, o mais rentável do mundo.

O objetivo dos dirigentes do país é fazer com que a competição torne-se, em pouco tempo, uma das principais ligas asiáticas. Outra meta, para atrair torcedores, é melhorar o nível da seleção indiana. Em 2017, o país entra definitivamente no mapa de eventos oficiais da Fifa, com a sede da Copa do Mundo sub-17.

“Com essa competição, teremos um pontapé de saída. A Índia será capaz de ter outras competições oficiais no futuro, com a ajuda do governo e da economia do país”, afirmou Valcke, em encontro na Câmara do Comércio e da Indústria da Índia.

O país se classificou apenas uma vez para a Copa do Mundo. Em 1950, os adversários desistiram das eliminatórias, dando vaga direta para a Índia para o Mundial disputado no Brasil. Mas a federação desistiu de enviar a equipe após a Fifa proibir a seleção de jogar descalça, como era costume na época no país.

“Com a ajuda da Fifa, seremos capazes de implementar uma estrutura completa de desenvolvimento”, acredita Praful Patel, presidente da federação indiana, mostrando que os tempos são outros.