Palmeiras define operadora de arena até fim de setembro

WTorre negocia com AEG e mais duas empresas, mas não há conclusão

WTorre negocia com AEG e mais duas empresas, mas não há conclusão

O Palmeiras está próximo de decidir qual será a operadora da Arena Palestra, prevista para ficar pronta em julho de 2013. O clube está negociando com três empresas distintas, e a mais próxima de acertar é a AEG, gestora de eventos esportivos, arenas e espetáculos. A expectativa é fechar negócio até o fim deste mês.

Apesar de as tratativas com a empresa estarem avançadas, ainda não há nenhuma definição, tampouco contrato assinado, segundo confirmou a WTorre à Máquina do Esporte. A construtora, parceira do Palmeiras na reconstrução do estádio, é a principal responsável por negociar e encontrar a futura operadora da arena.

A Traffic, incumbida de auxiliar na comercialização de propriedades de marketing, foi uma das partes que incentivou a procura por uma empresa do porte da AEG. "Nós somos os maiores entusiastas", afirma Mauro Holzman, diretor de novos negócios da agência, que esteve presente nas reuniões com as potenciais novas parceiras.

Independentemente de quem seja a companhia contratada para integrar esse grupo, o executivo não vê na entrada de mais um membro quaisquer prejuízos para a Traffic. "Nunca concorremos com eles para fazer a gestão da arena, porque esse não é nosso core business", acrescenta. "Estaremos juntos em todo o processo".

O papel da futura operadora no estádio palmeirense, cuja previsão é de receber 50 shows por ano em anfiteatro e entre 12 a 15 espetáculos por ano sobre o gramado, será viabilizar a chegada dessas atrações ao país. A AEG, também operadora do Staples Center, nos Estados Unidos, se sobressai justamente nesse quesito.