Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Panini vê ausência de Liga como empecilho a álbum

Ronaldo e Roberto Carlos ficaram fora do álbum

Duda Lopes em São Paulo - SP Publicado em 03/08/2010, às 19h07

Imagem Panini vê ausência de Liga como empecilho a álbum
Ronaldo e Roberto Carlos ficaram fora do álbum - Crédito Redação

Ronaldo e Roberto Carlos ficaram fora do álbum - Crédito Redação

A Panini lançou nesta terça-feira o álbum do Campeonato Brasileiro 2010. Na edição desse ano, a revista estará com todos os times da Série A e da Série B do Nacional, além de suas mascotes e seus escudos. No entanto, para conseguir a edição completa, a editora foi obrigada a negociar com cada clube e com cada jogador.

O problema enfrentado pela Panini é a ausência de uma Liga Brasileira, como acontece na maioria dos principais campeonatos nacionais do mundo. A Liga Espanhola, por exemplo, mantém os direitos de imagens dos times e dos jogadores de todo o campeonato do país. A negociação fica presa apenas à associação, que representa os clubes.

No álbum do Campeonato Brasileiro de 2010, dois dos mais conhecidos jogadores em atuação no país ficaram fora da revista após a negociação individual ter sido mal sucedida. Ronaldo, Roberto Carlos e Dentinho, os três do Corinthians, pediram alto para participar do álbum. A Panini, que ofereceu a mesma quantia a todos os jogadores presentes, não conseguia arcar com o valor pedido.

Na página do Corinthians, Ronaldo aparece em destaque como principal jogador. Por se tratar de uma informação, o uso é liberado. Mas no caso das figurinhas, o uso é comercial e exige autorização do atleta, o que não aconteceu, assim como Roberto Carlos e Dentinho.

O presidente da Panini, José Eduardo Severo Martins, lamenta a ausência de uma Liga que poderia resolver as lacunas da nova edição. “O Ronaldo nunca ficou fora de um álbum nosso enquanto estava na Europa. Esteve presente na Itália e na Espanha”, afirmou Martins, que elogiou a organização do Corinthians para tratar com os outros atletas, mas que não pôde responder pelas suas três principais estrelas.

A preocupação da editora está na compreensão de que quanto mais completo for o álbum, maior é o interesse dos colecionadores. O problema foi sentido diretamente nos anos anteriores, quando não havia a licença de Atlético Paranaense, Botafogo, Corinthians, Flamengo e Santos, o que impossibilitou a realização da edição.

Esse grupo clubes tem contrato com a Editora Abril, que não liberava as imagens para a Panini. Para o José Martins, esse entrave prejudicava todas as partes. “Negociamos com a Abril para cederem as imagens. Nós não poderíamos fazer um álbum com essas ausências, e eles também não poderiam fazer uma versão com apenas cinco equipes”, afirmou Martins.  

No acordo, a Panini comprou os direitos da Abril desses times apenas para a confecção do álbum; eles foram sublicenciados. Ganha também o apoio da editora, com anúncio na revista Veja e com ações de marketing promovidas pelas revistas Placar e Recreio.  

Agora, José Martins espera apenas que o Campeonato Brasileiro corresponda à expectativa que o álbum tenha uma boa adesão do público. “Se o Brasileirão for bom, as pessoas se interessam mais. Se ele for meio ‘xoxo’, aí não tem nada o que a gente possa fazer”, sentencia.