Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Polêmico, VAR turbina apostas de marcas nos Estaduais

Estratégia, no entanto, ainda não tem um retorno bem definido

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 01/04/2019, às 07h36 - Atualizado às 10h36

Imagem Polêmico, VAR turbina apostas de marcas nos Estaduais

O VAR, sigla em inglês para o árbitro de vídeo, chegou ao futebol brasileiro com peso de salvar o esporte das constantes polêmicas de arbitragem. Mas não tem sido isso o que tem acontecido na prática, com diversas discussões sobre as decisões tomadas nos últimos jogos. Nessa história, ganharam as marcas que apostaram na exposição gerada pela tecnologia.

Desde o ano passado, com a TCL na Copa do Brasil, o futebol brasileiro tem colocado o VAR como uma propriedade comercial. Como as câmeras ficam focadas na sala da arbitragem de vídeo e na tela onde o juiz revê o lance duvidoso, criou-se um espaço de maior exposição para marcas. A estratégia, no entanto, não tem um retorno bem definido: em um jogo sem lances complicados, a exposição das marcas nas transmissões ao vivo fica consideravelmente reduzida.

Foto: Thiago Calil / AGIF

Mas isso não tem afastado as marcas. A TCL, por exemplo, exportou a estratégia usada na Copa do Brasil para a Copa América deste ano. No Paulistão, foi a Sky quem apostou no VAR do torneio. Em Minas Gerais, o Sesc consegue exposição com a marca colocada na sala onde ficam os árbitros de vídeo do Campeonato Mineiro.

E se o VAR é uma aposta de exposição, ela tem dado certo: a tecnologia já foi protagonista em uma série de partidas dos Estaduais. No sábado, o vídeo anulou um pênalti do Palmeiras contra o São Paulo. O lance, considerado interpretativo, irritou os jogadores e o técnico palmeirense. Na última semana, em duelo contra o Novorizontino, o clube já havia se aborrecido com as decisões da nova arbitragem.

No Campeonato Mineiro, o VAR ajudou a anular dois gols do Atlético Mineiro e ainda a expulsar um jogador do time no fim de semana. O resultado foi mais polêmica, com reclamações públicas de dirigentes do time. No Rio de Janeiro, a maior discussão aconteceu durante a semana, com o clássico Flamengo x Fluminense e lances que foram considerados erros dos árbitros de vídeo. No caso dos cariocas, não há uma marca específica para o patrocínio às novas tecnologias.

LEIA MAIS: Análise: VAR não pode ter protagonismo

Pela entrega pouco certeira, o patrocínio ao VAR ainda não é uma unanimidade. A Fifa, por exemplo, recusou vender uma cota específica para isso na Copa do Mundo do ano passado. A recomendação da entidade é que o vídeo seja usado o mínimo possível; garantir exposição para parceiros está, portanto, fora de cogitação por ora. No Brasil, não há publicamente um acordo sobre entrega às marcas. Mas, na prática, a tecnologia tem ganhado protagonismo constantemente.