Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Real Madrid desbanca Manchester United em faturamento

Clube espanhol voltou a ser o mais rico do mundo após dois anos

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 28/01/2019, às 08h57 - Atualizado às 10h57

Imagem Real Madrid desbanca Manchester United em faturamento

O Real Madrid voltou ao posto de time mais rico do mundo. Após perder a primeira posição para o Manchester United nos dois últimos anos, a força dentro de campo da equipe falou mais alto e fez os espanhóis ultrapassarem a barreira dos ‎€ 750 milhões na última temporada.

Foto: Reprodução

Os dados são do novo relatório da Football Money League, produzido anualmente pela consultoria Deloitte. A empresa considerou apenas verbas de televisão, patrocínio e 'machtday', ou seja, a venda de Cristiano Ronaldo não entra na conta.

A saída do jogador português, por sinal, deve representar queda de receita para o clube, mas a própria Deloitte afirmou que a consequência do fim do ciclo do ídolo madrilenho ainda não pôde ser vista nos dados financeiros da equipe.

Ainda com CR7 em campo, o Real Madrid conquistou a Liga dos Campeões pela terceira vez seguida na última temporada, e o sucesso do time teve efeito em dois dos três pilares de faturamento dos clubes. Os ganhos com direitos de televisão, que incluem a premiação do torneio europeu, saltaram de ‎€ 223 milhões para ‎€ 251 milhões. E os patrocínios foram de ‎€ 323 milhões para ‎€ 356 milhões.

Hoje, todos os dados do Real Madrid são superiores aos do Manchester United, que nos anos mais recentes conseguiu aumentar o peso dos patrocínios, principalmente com acordos locais ao redor do mundo. Em campo, no entanto, o time inglês não rendeu.

Os Red Devils perderam, inclusive, até a segunda colocação do ranking. O Barcelona, também da Espanha, faturou ‎€ 690 milhões. Com mais de ‎€ 60 milhões de diferença para o Real Madrid, essa foi a segunda maior distância entre o primeiro e o segundo colocados nos 22 anos de levantamento da Deloitte.