Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Redes sociais turbinam ações na Copa do Mundo

Guilherme Costa em em Johanesburgo (África do Sul) Publicado em 05/07/2010, às 12h00

Se existe uma grande mudança no processo de comunicação entre as Copas do Mundo de 2006 e 2010, ela passa pelo advento de redes sociais. Nos quatro anos que separam o torneio da Alemanha da competição disputada na África do Sul, formatos como o Twitter se popularizaram e alteraram o planejamento de todas as companhias. Esses meios também são responsáveis por potencializar a repercussão do que acontece no campeonato.

Diferentes aspectos da Copa do Mundo estiveram entre os mais comentados em redes sociais nos últimos meses. No Brasil, o exemplo mais claro foi a campanha “Cala a boca, Galvão”, crítica jocosa ao narrador Galvão Bueno, da TV Globo. Amparada por uma estratégia inusitada, divulgada como uma ação social para salvar uma ave de extinção, a ação esteve entre os tópicos mais populares do mundo no Twitter.

A campanha contra Galvão Bueno é apenas um exemplo da repercussão que a Copa do Mundo teve nas redes sociais, mas passa longe de ser o único. Fóruns como o Twitter e o Faacebook concentraram mensagens sobre jogos, atletas e a organização do torneio na África do Sul.

Redes sociais foram usadas, por exemplo, por jogadores que quiseram comentar a Copa. Ou então por esposas de atletas, como as mulheres de Kaká (Caroline Celico) e de Júlio César (Suzana Werner), para defender seus maridos de críticas.

Entre comemorações, provocações ou campanhas engraçadas, o fato é que as redes sociais fomentaram debate sobre a Copa do Mundo e levaram para um público maior as discussões que anteriormente se limitavam a bares ou casas.

Segundo Miller Matola, responsável pela agência governamental de promoção da África do Sul no exterior, o advento das redes sociais gerou um incremento espont"neo de US$ 100 milhões na mídia relacionada à Copa do Mundo.

“As redes sociais estão revolucionando o marketing. Não há apenas um número maior de pessoas falando sobre a Copa do Mundo, mas muitas celebridades comentando. Isso tem um peso incrível. As pessoas dão crédito ao que seus ídolos falam”, ponderou Matola em entrevista coletiva.

O fato de a Copa do Mundo ter sido comentada em redes sociais por celebridades é mais um indicador do quanto o torneio passou a ser um assunto tratado com mais frequência e mais relev"ncia no dia a dia dos internautas.

Isso também fez com que companhias direcionassem sua comunicação para redes sociais. Foi nesses meios, por exemplo, que a Nike lançou anúncio sobre a eliminação do Brasil na Copa do Mundo. A Adidas, por sua vez, concentrou no Facebook a campanha mundial The Quest (“A busca”, em tradução livre), principal aposta da empresa para a competição.