River - SE se apoia em prefeitura para manter crescimento

Botafogo sofreu para eliminar o River Plate - SE da Copa do Brasil

Botafogo sofreu para eliminar o River Plate - SE da Copa do Brasil

O River Plate do Sergipe está em luto. No último sábado, Fernando França, dono do clube, faleceu aos 55 anos. França era proprietário da equipe que neste ano venceu pela segunda vez consecutiva o Campeonato Sergipano e conseguiu levar a disputa contra o Botafogo, pela Copa Kia do Brasil, para as disputas de pênaltis. Agora, a ascensão do clube está em xeque.

Por ora, diretores do clube preferem não se pronunciar oficialmente sobre o ocorrido. O presidente do River, Ernando Rodriguez, era amigo íntimo de França, e nem a sua presença está garantida para a temporada. Os planos do clube devem ser anunciados na próxima semana, mas a provável continuidade do projeto deve ficar nas mãos da prefeitura de Carmópolis, cidade sede da equipe.

Até então, o time era arcado por duas fontes de renda prioritárias. Além dos investimentos feitos por Fernando França, o clube tinha o suporte da prefeitura da cidade. A prefeita de Carmópolis, Esmeralda Cruz, é a viúva dono do River Plate.

Desde que Cruz assumiu o cargo, a aliança entre clube e prefeitura era tamanha que o estádio da cidade foi reformado com o dinheiro do Estado e renomeado. A então arena Idalito Oliveira passou a se chamar Fernando França, em uma homenagem que ocorreu mesmo antes do falecimento do dirigente; a inauguração do local ocorreu em fevereiro deste ano.

O empresário Fernando França chegou a ser vereador de Aracaju e deputado estadual de Sergipe. Sua aparição no futebol aconteceu com o Confiança, o segundo maior vencedor do Campeonato Sergipano. O dirigente foi presidente da equipe durante nove anos.

Na última década, Carmópolis se tornou um centro mais interessante para investimento, período em que França assumiu o clube. A cidade, de apenas 12 mil habitantes, fica sobre um campo de petróleo, principal motor da economia do local. Desde o governo Lula, os investimentos da Petrobras aumentaram na cidade, e o rendimento por royalties da prefeitura acompanhou o movimento.

No próximo ano, o River Plate tentará o terceiro título estadual de sua história e se planeja para mais uma vez dar trabalho a equipes tradicionais do país na Copa do Brasil. No entanto, por mais que a decisão seja pela manutenção do atual presidente e pelo aumento de investimentos da prefeitura, o trabalho ficará com a pendência dos resultados nas eleições municipais de 2012.